Publicado em

A Selem Bertozzi Consultoria, especializada na gestão empresarial de escritórios de advocacia, lançou o John Cognition, inteligência artificial para advogados, e já traça o objetivo de atingir 10 mil usuários em 2019.

Nas palavras da consultora Lara Selem, sócia-fundadora da companhia, o John Cognition foi construído como um oráculo nos assuntos de gestão empresarial para advogados jovens, de pequeno porte, ou que atuem longe dos grandes centros como São Paulo e Rio de Janeiro. “A inteligência artificial vai ajudar na gestão do marketing, finanças aplicadas a advocacia, contratação de advogados, entre outras coisas”, afirma a especialista.

Segundo a consultora, a ideia não é que o John faça acordos no lugar do advogado, mas que mostre os caminhos pelos quais o profissional do direito possa melhorar a rentabilidade da sua operação. “Criamos o John para ajudar a jovem advocacia que toma decisões empresariais erradas que poderiam ser evitadas”, garante. O uso da plataforma custa uma assinatura mensal de R$ 85,77 por mês.

A Selem Bertozzi Consultoria está no mercado brasileiro há 20 anos e foi criada quando Lara Selem e seu sócio, Rodrigo Bertozzi, perceberam uma carência relevante dos advogados que montavam escritórios próprios: a falta de conhecimento de administração. “A advocacia é administrada por advogados que saem das universidades com todos os conhecimentos técnicos necessários de direito, mas sem saber como gerir uma empresa”, conta a especialista.

De acordo com ela, hoje o mundo do direito no Brasil está mais aberto a técnicas arrojadas de administração, mas quando a consultoria foi criada, na década de 1990, os advogados ainda estavam muito presos ao que é tradicional. Essa mudança, na visão da consultora, é para quem abriu os olhos para a necessidade de se modernizar, mas também é perigosa para aqueles que entram no mercado sem o devido conhecimento acerca das melhores práticas de administração no setor.

“Em um mercado menor, a concorrência é reduzida, mas agora a concorrência é muito grande, então eles [os advogados] precisam saber atender o cliente, lidar com as finanças, contratar colaboradores e pensar na carreira de forma mais profissional do que era feito antes”, comenta.

A tecnologia, para Lara Selem, é uma das responsáveis por essa maior sofisticação das práticas empresariais adotadas pelos escritórios atualmente. “Foram incluídas coisas que não existiam antes, como softwares de auxílio ao profissional e até mesmo programas de inteligência artificial. Escritórios grandes e pequenos precisam cada vez mais investir em uma boa gestão”, destaca.

Ativismo

Para além da venda de programas que auxiliam o advogado em seu dia a dia e a assessoria tradicional para quem tem dúvidas do que fazer neste mercado, Lara explica que os consultores da Selem Bertozzi Consultoria são professores e palestrantes que realmente acreditam na conscientização dos especialistas do direito de que, além de dominar as matérias jurídicas, também precisam saber como ganhar dinheiro com um escritório.

“Mostramos para os advogados o quanto eles ganhariam se pensassem na gestão de forma diferente. Já entramos em muitos escritórios que estão cansados de seus problemas. Nisso é que acabamos nos tornando referência no País”, orgulha-se a consultora, que também é advogada de formação e especialista em Gestão de Serviços Jurídicos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

A Selem Bertozzi Consultoria conta com 20 consultores especializados em cada área e possui em torno de 550 clientes. O John Cognition, que foi lançado em 18 de junho e colocado em operação no dia 26, já tem 300 usuários.

Na opinião de Lara Selem, o trabalho da consultoria está longe de se desaquecer, uma vez que as faculdades de advocacia continuam formando centenas de milhares de advogados novos todos os anos em todas as cidades do País.