Publicado em

MADRI (Reuters) - O candidato peronista à Presidência da Argentina, Alberto Fernández, disse nesta quinta-feira que não fazia sentido ter petróleo se as empresas internacionais o levarem embora, sugerindo que um eventual governo liderado por ele não seria amistoso aos investidores internacionais.

"Não faz sentido ter petróleo se para extraí-lo você precisa deixar as multinacionais o levarem embora", disse o candidato em comentários após discursar no Parlamento espanhol em Madri.

"Eu não tenho problema com as multinacionais, mas minha principal preocupação é gerar riquezas para a Argentina e para os argentinos", disse Fernández, principal desafiante ao atual presidente argentino, Mauricio Macri, nas eleições em outubro.

Sete anos atrás, a ex-presidente Cristina Kirchner --que é a companheira de chapa de Fernández nas eleições deste ano-- expropriou a participação da Repsol na estatal argentina de petróleo YPF SA, em uma ação que afetou o apetite dos investidores estrangeiros para investimentos em energia na Argentina.

Macri tentou cultivar uma atmosfera favorável às empresas para trazer de volta os investidores ao país e desenvolver ativos de energia, entre eles a reserva de Vaca Muerta, que tem o tamanho da Bélgica e que pode abrigar um dos maiores de depósitos de petróleo e gás no planeta.

(Reportagem de Andrés Gonzalez, em Madri, e Cassandra Garrison, em Buenos Aires)