Publicado em

Por Marcelo Teixeira

SÃO PAULO (Reuters) - Mais dois navios iranianos que vieram para o Brasil trazendo ureia e deveriam retornar ao país de origem com milho podem ficar parados por falta de combustível, com a Petrobras recusando-se a vender o produto devido às sanções dos Estados Unidos ao Irã.

Dados de navegação mostram que os navios MV Delruba e Ganj, ambos de tipo Panamax, atualmente localizados próximos ao porto de Imbituba (SC), deveriam fazer a mesma rota de outras duas embarcações iranianas, Bavand e Termeh, que também tiveram problemas de reabastecimento, conforme publicado pela Reuters.

Todos os quatro navios são de propriedade do governo iraniano e estão inclusos nas sanções implementadas pelo governo norte-americano ao país. A Petrobras se recusa a vender combustível a eles, citando as sanções. Caso realizasse as vendas, a empresa poderia sofrer prejuízos por conta de suas operações nos EUA, disse a estatal.

Os quatro navios e um quinto, o Daryabar, que conseguiu deixar o Brasil carregado com milho, são parte de uma nova rota comercial aberta pelo governo iraniano, que tem buscado novos mercados para seus produtos petroquímicos para compensar as perdas nas vendas de petróleo.

"O governo iraniano está claramente assumindo um risco", disse uma fonte da indústria de navegação, que pediu para não ser nomeada devido à sensibilidade do assunto. "Eles enviaram todos esses navios para cá sem saber se eles conseguiriam reabastecer e retornar", acrescentou.

Apesar de comunicados da Petrobras afirmando que outras empresas podem vender combustível aos navios, a fonte disse que a petroleira estatal é basicamente a única que fornece esse serviço em todos os portos brasileiros.

O Daryabar também trouxe ureia ao Brasil. Não ficou claro como o navio garantiu combustível para o retorno. De acordo com dados de controle de navios da Refinitiv Eikon, no momento a embarcação encontra-se perto da África do Sul.

A Petrobras reafirmou sua posição nesta sexta-feira.

"O risco envolvido na contratação de navios sancionados deve ser de responsabilidade da empresa exportadora e não da Petrobras", disse a estatal.

A agência marítima que assiste os navios iranianos no Brasil, chamada Friendship, se recusou a fornecer informações a respeito da situação de combustível do MV Delruba e do Ganj. Ela afirmou que não está autorizada pela proprietária do navio, a estatal iraniana Sapid Shipping, a comentar sobre a situação.

(Reportagem adicional de Marta Nogueira, no Rio de Janeiro)