Publicado em

PARIS (Reuters) - A polícia francesa disparou gás lacrimogêneo e prendeu mais de 100 pessoas em Paris neste sábado, dispersando manifestações dos "coletes amarelos", além de pessoas com as caras encobertas e que atrapalharam uma marcha sobre o clima.

    A polícia deteve 137 pessoas em Paris e dispersou cerca de 100 manifestantes que se juntaram na avenida de Champs-Elysees, disse a polícia da prefeitura de Paris.

    O governo destacou muitos policiais por temer que os coletes amarelos e outros ativistas, incluindo anarquistas "black blocs", aproveitariam manifestações contra as mudanças climáticas e a reforma da Previdência para espalhar violência.

    Cerca de 7.500 policiais foram mobilizados. Vários bairros, incluindo Champs-Elysees, foram cercados para os protestos, e mais de 30 estações de metrô fecharam.

    O protesto contra as mudanças climáticas teve confrontos esporádicos entre a polícia e pessoas mascaradas que se infiltraram na marcha.

    Grupos de pessoas com os rostos cobertos, associados aos black blocs formaram barricadas atearam fogo em caixas e a uma motocicleta, e atiraram tinta na fachada de um banco.

    Atos similares ocorreram em março, e a prefeitura novamente atribuiu a violência aos black blocs. A polícia respondeu com gás lacrimogêneo.

    A violência manchou um protesto pacífico que juntou milhares de pessoas, um dia após marchas em Paris e outros lugares do mundo exigindo uma ação enfática do setor público contra as mudanças climáticas.

    Os coletes amarelos, assim chamados devido às vestimentas fosforescentes de motoristas, estão no 45º sábado seguido de ações. O movimento surgiu no ano passado, causado por aumento em impostos sobre os combustíveis e se transformando em uma revolta contra o estilo de governar do presidente Emmanuel Macron.

    Alguns dos protestos do grupo foram marcados por violência, parcialmente atribuída aos black blocs.

    (Por Henri-Pierre Andre, Pascal Rossignol, Charles Platiau, Manuel Ausloos, Antoine Boddaert, Yonathan van der Voort e Gus Trompiz)