Publicado em

WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos sancionaram a estatal chinesa de energia Zhuhai Zhenrong Co Ltd, por alegações de que a empresa teria violado restrições impostas ao setor de petróleo do Irã, disse o Secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, em um discurso na segunda-feira.

"Nós temos dito que iremos sancionar qualquer comportamento sancionável, e é isso o que queríamos dizer", afirmou ele em discurso na Flórida, no qual anunciou a medida.

O movimento vem em meio a crescentes tensões entre o Irã e o Ocidente, assim como entre Estados Unidos e China, que estão envolvidos em uma guerra comercial.

A administração do presidente norte-americano Donald Trump ampliou sanções contra o Irã após deixar um pacto nuclear fechado entre Teerã e nações ocidentais, que havia sido selado durante a gestão de Barack Obama.

Em comunicado em separado, Pompeo disse que a Zhuhai Zhenrong "sabidamente envolveu-se em uma transação significativa para a compra ou aquisição de petróleo do Irã" após a expiração de isenções dadas à China sobre as sanções dos EUA ao Irã.

Ele disse que as sanções bloquearam todas as propriedades e interesses da Zhuhai Zhenrong nos Estados Unidos e proibiram o presidente-executivo da empresa, Youmin Li, de entrar no país.

"Qualquer entidade que considere fugir de nossas sanções deve estar ciente desta ação de hoje", disse Pompeo. "Isso ressalta nosso compromisso com a fiscalização e a responsabilização do regime iraniano".

A embaixada da China em Washington rejeitou a posição dos EUA.

"A China se opõe firmemente à imposição de sanções unilaterais pelos EUA e à chamada 'jurisdição de braços longos' sobre China e outros países invocando sua lei doméstica", disse um porta-voz por e-mail.

"Pedimos que os EUA corrijam imediatamente esse erro e respeitem seriamente os direitos e interesses legais de outras partes".

A Zhuhai Zhenrong, que se especializa principalmente na compra de petróleo iraniano e está baseada em Pequim, foi previamente sancionada em 2012 pelo governo Obama devido a suas negociações com o Irã.

A empresa tornou-se uma subsidiária do conglomerado estatal Nam Kwong, com sede em Macau, em uma fusão ordenada por Pequim no final de 2015.

Em um breve comunicado em seu site na terça-feira, a Nam Kwong disse que a Zhuhai Zhenrong foi "oficialmente desmembrada" do grupo desde 30 de setembro de 2018. A Nam Kwong afirmou não ter "laços de capital, ou qualquer negócio ou relações legais" com a empresa. Um porta-voz do Nam Kwong se recusou a comentar mais.

Analistas da ClearView Energy Partners disseram que a Zhuhai Zhenrong está amplamente desconectada do sistema financeiro chinês, o que limitaria o "contágio" das sanções sobre outras entidades e o sistema bancário. Mas eles disseram que a decisão de Washington demonstra a posição do governo Trump sobre o Irã não somente para a China, "mas também para outros compradores em potencial", como a Turquia e possivelmente a Rússia.

(Por Lesley Wroughton; reportagem adicional de David Brunnstrom e Timothy Gardner em Washington, e de Chen Aizhu em Cingapura)