Publicado em

Por Enrico Dela Cruz

MANILA (Reuters) - Os futuros do minério de ferro subiram para máxima em 16 meses nesta segunda-feira após a Agência Nacional de Mineração ordenar que a Vale, maior produtora global da commodity, suspenda as operações de sua mina Córrego do Feijão após o rompimento fatal de uma barragem.

A barragem rompeu na sexta-feira, liberando uma corrente de lama que invadiu instalações de mineração da Vale e arrasou uma comunidade local, deixando 58 mortos segundo a contagem até o momento, além de centenas de desaparecidos.

O contrato do minério de ferro mais negociado na bolsa de Dalian chegou a subir 6 por cento, para 567,5 iuanes (84,23 dólares) por tonelada, maior nível desde setembro de 2017, antes de devolver parte dos ganhos e fechar com alta de 2,8 por cento, a 550,5 iuanes.

"O acidente envolve minério de ferro brasileiro de alto teor. No entanto, acho que os preços físicos podem não se alterar tanto quanto os futuros, uma vez que o mercado tem estado muito, muito quieto (antes do Ano Novo Lunar)", disse o analista Richard Lu, da consultoria CRU em Pequim.

A China, maior consumidor global de minério de ferro, utilizado na fabricação de aço, demanda minério de alta qualidade, que é menos poluente, devido à sua campanha contra a poluição.

O fechamento da mina Córrego do Feijão resultará em uma redução de 1,5 por cento na produção da Vale, o que terá um impacto "insignificante" sobre a oferta, afirmou Helen Lau, analista da Argonaut Securities.

"Em geral, nós não esperamos ver uma grande alta nos preços do minério de ferro em função desse acidente fatal, uma vez que a demanda da China por minério de ferro no curto prazo deve ser leve devido à fraca sazonalidade", escreveu ela em nota.

O contrato mais ativo do vergalhão de aço na bolsa de Xangai fechou em queda de 0,8 por cento, a 3.681 iuanes por tonelada.

(Reportagem adicional de Muyu Xu em Pequim)