Publicado em

Com o objetivo de aumentar a participação de mercado em um setor cada vez mais competitivo, a plataforma virtual de hospedagem Locaweb pretende intensificar a forte presença regional no Brasil por meio de um atendimento personalizado para lojas online.

“Visualizamos como um dos principais diferenciais da nossa operação o conhecimento do mercado brasileiro. A capacidade de estabelecer um bom nível de atendimento ao cliente é um exemplo disso, uma vez que competir com os players estrangeiros em termos de recursos financeiros é inviável”, argumentou o fundador da empresa, Gilberto Mautner.

De acordo com o executivo, a chegada da gigante norte-americana Amazon não é encarada como mais um concorrente no Brasil, mas sim como um parceiro nas operações do negócio. “A Amazon é um dos nossos parceiros, uma vez que a Locaweb tem dentro do portfólio a Cluster2GO, especializada em realizar a transição dos nossos clientes para a nuvem pública. Oferecemos esse tipo de conexão e todos fazemos parte desse ecossistema”, complementou ele. A divisão Cluster2GO apresentou crescimento de 30% entre os anos de 2017 e 2018. Já o grupo como um todo, apresentou um faturamento de R$ 400 milhões.

Para o executivo, uma das melhores estratégias para consolidar a atuação da empresa de forma regional foi apostar nos desenvolvedores, que tinham capacidade de captar mais clientes em escala para a plataforma. “Começamos a oferecer de forma mais intensa um atendimento diferenciado em termos de suporte e assistência para os desenvolvedores. Esse movimento teve início desde 1998, quando a capacitação para esses profissionais já acontecia por meio de reuniões periódicas. É uma área que concentra muita força para a carteira de clientes”, afirmou o executivo.

Questionado sobre como a Lei Geral de Proteção de Dados pode impactar na operação da empresa – que armazena uma grande quantidade de dados e informações dos clientes – o executivo explica que a preparação para a entrada em vigor da nova legislação ocorre por meio da criação de um comitê.

“Contratamos um dos maiores escritório de advocacia do Brasil – que inclusive também trata de questões que envolvem empresas como Google e Facebook no Brasil – para tratar dessa adequação às novas regulamentações, considerando que o sigilo dos dados de nossos clientes é algo fundamental para todas as frentes de atuação do negócio”, afirmou Mautner, ressaltando o fato de que a preparação completa da nova lei deverá ocorrer até ano que vem. A LGPD entrará em vigor em agosto de 2020 e estabelece parâmetros e limites para o tratamento de dados pessoais, inclusive nos meios digitais, por pessoa natural ou por pessoa jurídica de direito público ou privado.

Além disso, o executivo demonstra uma perspectiva positiva em relação à maior demanda pela integração das plataformas de marketplace no País. “Acreditamos em uma evolução muito grande da Tray [divisão de e-commerce da Locaweb] com o aumento da demanda pela integração de canais de venda, tanto em plataformas próprias como também em grandes marketplaces, como por exemplo a operação da rede Magazine Luiza”, comentou ele.

Questionado sobre as recentes mudanças em relação às ferramentas de vendas, o executivo afirmou que ainda aposta na importância do e-mail para captar clientes e vender soluções. “Acreditamos que o e-mail ainda não morreu e apresenta fundamental papel dentro do negócio. Porém, vemos uma migração para outras plataformas como por exemplo WhatsApp. Clientes antes que registravam cerca de 20% das vendas por e-mail, agora devem obter em torno de 10%. De todo o modo, a segurança que muitas vezes o e-mail e o computador trás ao usuário na hora da compra é nítida”, diz.