Publicado em

(Reescreve 1º parágrafo para esclarecer que houve a passagem de uma sonda nasogástrica e a introdução de alimentação via endovenosa, não pela sonda)

(Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro foi submetido à passagem de uma sonda nasogástrica e à introdução de nutrientes via endovenosa durante seu pós-operatório, informou o boletim médico do hospital Vila Nova Star nesta quarta-feira.

Operado no domingo em São Paulo para correção de uma hérnia, Bolsonaro apresentou "lentificação dos movimentos intestinais e distensão abdominal", segundo os médicos responsáveis, embora os exames encontrem-se estáveis.

"A reintrodução da alimentação por via oral será avaliada diariamente e ocorrerá no momento oportuno", informou o boletim, acrescentando que o presidente segue realizando fisioterapia motora.

Bolsonaro permanece afebril, sem dor ou disfunções orgânicas. Por ordem médica, as visitas se mantêm restritas.

O presidente, de 64 anos, foi operado no domingo para correção de uma hérnia incisional no abdômen, em um procedimento considerado bem-sucedido pelos médicos, mas que durou mais do que o previsto pelo fato de o intestino ter novamente aderido na parede abdominal.

A cirurgia foi a quarta que Bolsonaro precisou fazer na região abdominal em função de uma facada que levou em setembro de 2018, durante evento da campanha eleitoral na cidade mineira de Juiz de Fora.

(Por Débora Moreira, no Rio de Janeiro)