Publicado em

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (15) que o Brasil enfrenta problemas sérios e precisa passar por uma “quimioterapia” para sobreviver.

Durante sessão solene no Congresso em homenagem ao comando de operações especiais do Exército, o presidente afirmou que é sua obrigação e dos parlamentares entregar um Brasil melhor, mas ressaltou que há “um problema pela frente”, sem especificar a que se referia.

“O Brasil precisa de uma quimioterapia para quem não pereça. Estamos fazendo juntos essa quimioterapia. Alguns poucos, pouquíssimas, ainda reagem, mas serão convencidos pelo povo e pela maioria dessa Casa, deputados e senadores”, afirmou. “Nós, juntos, poderemos sim mudar o destino do Brasil. Sou mais ousado: mudaremos o destino do Brasil”, afirmou.

Indicação

O presidente Jair Bolsonaro aproveitou a homenagem ao Exército na Câmara dos Deputados, para reafirmar a possibilidade de indicação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), um dos seus filho, à embaixada do Brasil em Washington, nos Estados Unidos. O presidente também disse que o advogado-Geral da União, André Luiz de Almeida Mendonça, é um ministro “terrivelmente evangélico”. Ambos estavam presentes ao evento.

Bolsonaro participou nesta manhã de uma sessão solene em homenagem ao aniversário do Comando de Operações Especiais do Exército Brasileiro (COpEsp). Ele disse que, como presidente, às vezes toma decisões que não agradam a todos. “Como a possibilidade de indicar para a embaixada dos EUA um filho meu. Se está sendo criticado, é sinal de que é a decisão adequada”, afirmou.

Bolsonaro afirmou ainda que o Brasil precisa de tratamento. “O Brasil precisa de uma quimioterapia, estamos fazendo juntos essa quimioterapia”, disse. “Alguns poucos ainda reagem, mas serão convencidos pelo povo e pela maioria desta Casa, podemos, juntos, mudar o destino do Brasil”, afirmou. “A nossa missão é entregar para quem nos suceder um Brasil melhor do que o nosso”, afirmou.

“Sou do baixo clero sem qualquer problema, mas é um sinal de que todos têm espaço neste maravilhoso Brasil”, disse. “Feliz é a nação que tem Forças Armadas comprometidas com a democracia e a liberdade. O que eu mais quero é colocar o Brasil no local de destaque que ele merece no cenário mundial”, afirmou.

O presidente foi a pé do Palácio do Planalto à Câmara. No caminho, não conversou com a imprensa, mas cumprimentou pessoas que estavam no passeio público.

O deputado Eduardo Bolsonaro acompanhou a cerimônia ao lado do pai, atrás da mesa diretora. O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno e a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, também estavam presentes ao evento