Publicado em

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou na última sexta-feira (16) que o governo não tem mais dinheiro e que seus ministros estão apavorados e fazendo “milagres” para tentar sobreviver a este ano.

Bolsonaro foi questionado sobre o corte de 4,5 mil bolsas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) por falta de orçamento. “O Brasil todo está sem dinheiro. Em casa que falta pão, todos brigam e ninguém tem razão.”

Segundo o presidente, os ministros estão apavorados. “Estamos aqui tentando sobreviver no corrente ano. Não tem dinheiro. Eu sabia disso, estamos fazendo milagre, conversando com a equipe econômica para ver o que a gente pode fazer”, disse. “Não é maldade da minha parte. Não tem dinheiro, só isso.”

Perguntado sobre o que se pode fazer para recuperar o Orçamento, ele disse que o governo está trabalhando com privatizações, cortando consultorias e “programas absurdos” para tentar economizar.

Indicadores

Na sexta-feira, o Banco Central reiterou que a evolução dos indicadores de atividade sugere crescimento econômico do País. A estimativa foi dada pelo o chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Tulio Maciel, durante apresentação do o Boletim Regional, que trouxe dados e indicadores econômicos de diferentes regiões brasileiras

“Em relação ao comércio, nos últimos 12 meses tivemos crescimento de 0,8% no Nordeste e 4,8% no Sul. A Região Sul também vem despontando com crescimento acentuado de máquinas, equipamentos e veículos”, pontuou o representante do Banco Central.

Maciel reforçou que desde 2018, as regiões Norte, Sudeste e Sul vêm registrando os maiores crescimentos. No Norte, disse o executivo, os números são puxados pelo setor de minério de ferro e no Sul-Sudeste, pela atividade industrial.

De acordo com o Banco Central, com relação ao crédito, nos últimos 12 meses o Brasil também registrou um crescimento de 5,4%.

Na segunda-feira da semana passada (12), o Banco Central divulgou seu Índice de Atividade (IBC-Br) referente a todo o País, em junho de 2019, que indicou alta de 0,30% ante abril, na série com ajuste sazonal. Em relação a maio de 2018, houve queda de 1,75% pela série sem ajuste.