Publicado em

O presidente da República, Jair Bolsonaro, usou sua conta pessoal no Twitter, ontem para classificar de "lamentável" a decisão do governador da Bahia, Rui Costa (PT), de não autorizar a presença da Polícia Militar para a sua segurança e a dos convidados durante a inauguração do aeroporto Glauber Rocha, na cidade de Vitória da Conquista.

Distante cerca de 500 quilômetros de Salvador, o terminal foi inaugurado por Bolsonaro, mas não contará com a presença do governador do Estado. "Eu não posso colocar policiais militares para espancar o povo baiano, que quer conhecer o aeroporto", disse o governador em entrevista à uma rádio da Bahia. Ele continuou: "Quem é impopular e tem medo de ir para as ruas, fica no seu gabinete. Que as forças federais cuidem do presidente. Ele não confia no Exército? Ele foi do Exército e não confia no Exército?", questionou.

O embate entre os chefes do Executivo federal e baiano se dá na esteira da polêmica causada pela fala de Bolsonaro sobre os nordestinos, na última sexta-feira (19), quando os classificou pejorativamente de "paraíbas". Em vídeo nas redes sociais, Rui Costa diz que tem profundo orgulho de ser nordestino.

Ainda no vídeo, Costa diz que "exercitando a boa educação que aprendeu", convidou o atual governo federal a estar presente nesta grande festa de inauguração do Aeroporto Glauber Rocha. "Infelizmente, confundiram a boa educação com covardia e, desde então, temos presenciado agressões ao povo do Nordeste e ao povo da Bahia."

Na rede social, o post do presidente foi rebatido pelo deputado federal Waldenor Pereira (PT-BA). Segundo ele, Bolsonaro "precisa conhecer o nome do aeroporto, que é Glauber Rocha, cineasta baiano, grande combatente do fascismo e populismo que você representa. As baianas e baianos não deixarão você manchar sua memória".

Já o deputado Helder Salomão (PT-ES), afirmou que Bolsonaro evitará contato com nordestinos no evento e que a filha de Glauber Rocha, homenageado com o nome do aeroporto, não comparecerá à inauguração por conta da presença do presidente.

Mais atenção à Bahia

Durante a inauguração do aeroporto em Vitória da Conquista, o presidente prometeu não deixar mais obras paradas no País, mas afirmou que não vai aplicar recursos no que considera projetos com fins eleitorais. "Obras eleitoreiras não aconteceram mais a partir do meu governo", disse.

Na véspera, o governo Bolsonaro anunciou um bloqueio adicional de R$ 1,4 bilhão no Orçamento e revisou a previsão de crescimento da economia de 1,6% para 0,8%. Falando a apoiadores que o aguardavam confinados numa espécie de comício do lado de fora do aeroporto, o presidente admitiu "dificuldades" da economia. "Nosso governo não tem muito recursos. O Brasil está com dificuldades, mas o pouco que temos muito bem empregaremos", disse Bolsonaro, usando no palanque um chapéu de vaqueiro.

A construção do aeroporto foi realizada com recursos do governo federal e do governo do Estado. Como o presidente decidiu participar do evento, o Palácio do Planalto assumiu a organização e forneceu um número reduzido de convites ao governo baiano (100 de um total de 600 convidados), o que alimentou o atrito com Rui Costa. "Não é uma obra minha, nem de qualquer outro presidente ou qualquer governador. É uma obra feita com dinheiro do povo brasileiro", disse Bolsonaro.

"Lamento muito o governador não estar aqui, afinal de contas ele estaria ao lado do seu povo. Nós não temos qualquer preconceito. Não queremos dividir partidos. Não aceitamos, obviamente, o socialismo e o comunismo. Não admitimos mudar a cor da nossa bandeira. Não podemos admitir qualquer partido que queira solapar os valores familiares. Não podemos admitir quem queira deixar de lado, desrespeitar religiões. O Estado é laico, mas nós somos cristãos", discursou o presidente, a uma plateia fechada.

O terminal

Demanda antiga, a entrega do aeroporto Glauber Rocha, em Vitória da Conquista já foi alvo de problemas judiciais. Em 15 de dezembro do ano passado o Tribunal de Justiça da Bahia (TJB) suspendeu a licitação, em função de brigas judiciais envolvendo as participantes do certame.

Segundo dados do Ministério da Infraestrutura, o aeroporto será aberto para voos comerciais na quinta-feira, dia 25, e beneficiará cerca de 2,3 milhões de pessoas da região. O custo foi de R$ 105,8 milhões - sendo R$ 74,6 milhões repassados pela União.