Publicado em

A reforma da Previdência é considerada necessária por seis em cada dez brasileiros, ou 59% das pessoas. Isso é o que revela a pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira - Reforma da Previdência, divulgada nesta quarta-feira, 8, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Outros 36% discordam sobre a necessidade da reforma.

A percepção de que as mudanças são imprescindíveis é maior entre os homens, os que têm ensino superior e renda familiar superior a cinco salários mínimos, revela o levantamento feito pela CNI em conjunto com o Ibope. Entre os homens, 63% dizem que é preciso fazer a reforma da previdência. Já entre as mulheres, o percentual cai para 54%. As mudanças são necessárias para 68% dos entrevistados com ensino superior e para 73% dos que têm renda familiar acima de cinco salários mínimos.

A pesquisa revela ainda que a reforma tem também o apoio da maioria dos que ganham menos e com menor grau de escolaridade: 52% dos que concluíram até a quarta série do ensino fundamental e 51% dos que recebem até um salário mínimo acreditam que é preciso mudar o sistema previdenciário do País.

“A maioria da população já reconhece que a reforma da Previdência é indispensável para o País”, afirma o presidente da CNI em exercício, Paulo Afonso Ferreira. “As mudanças no sistema atual de aposentadorias são essenciais para incentivar o retorno dos investimentos, do crescimento sustentado e da necessária modernização do País”, diz.

Nível de conhecimento

Conhecimento

Apesar de a maioria ver necessidade da reforma, o nível de conhecimento da atual proposta apresentada pelo governo ao Congresso é baixo. Apenas 36% da população conhecem a proposta do governo em tramitação no Congresso. Entre essas, só 6% dizem ter amplo conhecimento do texto e 30% conhecem os principais pontos. Entre os que dizem conhecer o texto, 51% são contra e 39% são a favor da proposta do governo.

Essa edição da pesquisa foi feita entre os dias 12 e 15 de abril e entrevistou 2 mil eleitores com 16 anos ou mais, em 126 municípios. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais, para cima e para baixo, com 95% de confiança.

Contra o prazo

A maioria da população concorda com a necessidade de uma reforma da Previdência, mas, por outro lado, uma parcela ainda mais ampla discorda que as pessoas devam se aposentar mais tarde por estarem vivendo cada vez mais, segundo a pesquisa Ibope. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais.

A grande maioria concorda totalmente (50 por cento) ou em parte (22 por cento) que deve haver uma idade mínima para as pessoas se aposentarem uma vez que estão vivendo cada vez mais, mas a opinião muda completamente quando a questão é se as pessoas devem ser aposentar mais tarde por conta disso.

Enquanto a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência enviada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro ao Congresso estabelece que as idades mínimas para aposentadoria passarão a ser de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, a pesquisa mostrou que a grande maioria defende que as pessoas possam se aposentar com 60 anos ou menos. No levantamento, apenas 6% acreditam que a idade da aposentadoria deveria ser de 65 anos ou mais. Para 22% dos ouvidos, as pessoas deveriam poder se aposentar com 50 anos ou menos; para 25% a idade deveria ser de 51 a 55 anos e para 33% entre 56 e 60 anos. A idade entre 61 e 64 anos é apoiada por 13%.