Publicado em

Acumulando perda de 35 mil contratos nos quatro primeiros meses de 2018 e de 1,8 milhão em três anos, o mercado brasileiro de TV paga deve experimentar um avanço apenas modesto nos meses de maio e junho, mesmo com o apelo da Copa do Mundo da Rússia, que tem início amanhã (14).

A percepção foi relatada ao DCI pelo CEO da área residencial do grupo Claro, Daniel Barros. “Não há boom no mercado de vendas de assinatura por conta do pré-Copa, e nem esperávamos que houvesse. Talvez se fosse outro o cenário econômico. Mas estamos crescendo um pouco”, sinalizou o executivo, durante evento realizado ontem (12) na capital paulista.

De acordo com ele, a trajetória comedida tem mais a ver com a postura conservadora da indústria que ausência de interesse do cliente.

“Praticamente todos os lares querem TV por assinatura. Quando a economia bombava, [o mercado] vendeu de forma agressiva. Mas hoje não adianta incentivar a venda para quem não pode pagar. Se focássemos em regiões com baixo poder aquisitivo durante o pré-Copa, nós venderíamos muito, mas faltaria bolso depois para esse cliente pagar a conta”, afirmou.

Caso confirmado quando divulgados os dados do mercado referentes ao mês de maio, o crescimento mesmo que modesto nos acessos do grupo representaria reversão de tendência vista no ano. Em quatro meses até abril, o grupo Claro perdeu 117,4 mil contratos de TV por assinatura.

Foram 38,3 mil desconexões no primeiro mês do ano, seguidas de 44,9 mil em fevereiro, 16,1 mil em março e 18 mil em abril. Mesmo assim, a operação (que reúne tanto a líder de mercado NET quanto a Claro TV, que opera via satélite) ainda reúne 8,955 milhões de acessos, ou 49,8% do market share nacional.

Com 29,3% do mercado (ou 5,267 milhões de contratos em abril), a vice-líder Sky também perdeu clientes no período: foram 91,1 mil.

Ultra definição

Durante coletiva ontem, a NET confirmou que disponibilizará o sinal 4K (ou ultra HD) da SporTV durante a Copa do Mundo da Rússia. “Pela primeira vez a Copa do Mundo será verdadeiramente 4K”, afirmou o diretor de marketing da Claro, Marcio Carvalho.

Na edição de 2014 do evento, a operadora havia feito demonstrações da tecnologia em três partidas. Transmissões experimentais também foram realizadas durante a Olimpíada de 2016 e no festival musical Rock in Rio. Segundo a NET, serão transmitidos em 4K 56 das 64 partidas do torneio.

Ainda ontem, a Oi confirmou que a operação de TV por assinatura do grupo também transmitirá o sinal 4K da SporTV durante o evento esportivo. O grupo destacou que a Oi TV é um dos poucos players do mercado a experimentar crescimento na base ao longo do ano: em quatro meses até abril, a vertical somou 20,2 mil novos acessos, para 1,529 milhão.

Tanto na Oi quanto na NET, a oferta gratuita está restrita aos clientes de planos premium, podendo ser contratado por assinantes da Net mediante a upgrade do pacote. Além de codificador compatível, é necessário que o espectador possua aparelho de TV com 4K para acessar a opção.

“Pelo que vimos, no ano passado foram vendidos algo em torno de 800 mil televisores 4K. Neste ano, a projeção é vender 2 ou 3 milhões por conta da Copa”, afirmou Barros, lembrando que o movimento precisa ser acompanhado pela produção de conteúdo compatível. “Isso exige investimento grande para as programadoras”, afirmou.

Segundo balanço recente da GfK, as vendas de televisores 4K representaram pouco mais de 10% do volume comercializado ano passado. Já até abril, os produtos representam 18% das vendas.