Publicado em

SANTO ANDRÉ

O "Programa Parceiro Preferencial CVC", lançado ontem em Santo André, no ABC Paulista, deverá proporcionar alguns privilégios a empresas conveniadas à operadora CVC, de acordo com a qualidade dos serviços prestados aos clientes.

Segundo o vice-presidente de Produtos, Marketing e Operações da CVC, Fábio Godinho, a ideia é "fidelizar os fornecedores" oferecendo benefícios como exclusividade de anúncios em peças publicitárias de qualquer mídia, maior acesso ao canal de distribuição e, principalmente, aos números da operadora. "A ideia da CVC é crescer e fazer com que as empresas parceiras também cresçam, então os nossos números serão mais abertos a esses fornecedores, para que eles também possam investir nas áreas corretas", explicou. Em troca, as empresas também vão oferecer vantagens à operadora, como agilidade na prestação do serviço.

O primeiro setor contemplado pela proposta será o de hotelaria. Já foram selecionados 316 "parceiros estratégicos": 235 no Brasil e 81 no exterior. Juntas essas empresas representam aproximadamente a metade dos hotéis cuja estada é vendida pela CVC. Fábio Godinho explica que os critérios utilizados não estão ligados a preços e nem às estrelas, medida de qualidade no ramo hoteleiro.

"Entre esses parceiros, temos pousadas e hotéis de luxo. A ideia é continuar atendendo a todos os consumidores, os que gastam menos e os que gastam mais, mas vamos indicar empresas que passaram pelo crivo de qualidade da CVC", detalhou Godinho. O executivo ainda complementou dizendo que o programa de parcerias não excluirá os mais de 30 mil parceiros que estão fora do programa. "Vamos continuar trabalhando com essas empresas, mas vamos dar prioridade aos nossos fornecedores fidelizados", disse.

Números

A operadora CVC projeta para o primeiro trimestre de 2013 a extensão das parcerias para o setor receptivo de companhias aéreas e marítimas. Com isso, a empresa espera manter o crescimento observado no último ano: Em 2011, 3 milhões de clientes foram atendidos pela operadora, número que subiu para 4 milhões em 2012.

Fábio Godinho atribui o aumento ao treinamento dos agentes, que hoje atuam como consultores de viagem, além dos preços e condições de pagamento, que atingem todos os tipos de consumidores.

"Cada vez mais os nossos agentes têm condição de oferecer ao cliente o que ele precisa, de acordo com o destino ou com a condição financeira. Muitas vezes o agente oferece um pacote ao cliente de acordo com o que pode ser gasto na viagem. Esse trabalho requer treinamento, nós investimos nisso", afirmou Godinho.