Publicado em

Brasília - O número de acessos à Internet por meio de dispositivos móveis dobrou no País no ano passado, atingindo as expectativas no setor de telecomunicações, de desempenho acelerado. Dentre os novos assinantes de planos de acesso à rede, 99,8% são referentes à Internet móvel - por meio de celulares, tablets (computador em formato de prancheta) e modem de rede de terceira geração (3G). -

O percentual significa mais de 40 milhões de novos usuários. O aumento da quantidade de pessoas que acessaram a Internet por meio de conexão de telefonia fixa alcançou 22%, o que representa mais de 16 milhões de pessoas.

"A tendência, este ano, é aumentar ainda mais. As pessoas preferem ter um celular conectado à Internet, para acessar de qualquer lugar", disse o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. "Temos, agora, de ter mecanismos para treinar e orientar as pessoas a entrar nesses ambientes digitais com muita velocidade. E também baratear planos e smartphones", completou. O ministro lembrou que uma das prioridades do governo para este setor é o Plano Nacional de Banda Larga, com o qual irá baratear o preço das assinaturas de Internet. "É absolutamente importante para o desenvolvimento do País. As pessoas têm de ter acesso a informações. Isso ajuda no processo educativo e de difusão cultural, além de melhorar a produtividade no trabalho", disse Bernardo.

Acordo

Para isso, governo e operadoras fizeram acordo para que a banda larga popular fosse ofertada aos usuários. Segundo o ministro, empresas de telefonia móvel e fixa aderiram à proposta. "Não colocamos dinheiro público nisso. As empresas assumiram o compromisso de ofertar esse serviço", disse o ministro. O preço cobrado pela Internet poderá ficar em R$ 29,90. Segundo Bernardo, a ideia é reduzir as diferenças de preço cobradas em diversas partes do País.

"Precisamos fazer avançar esse plano em todo o Brasil. No Amapá, custa R$ 250 a mesma conexão que você tem em São Paulo por R$ 29,90", explicou Bernardo. Além disso, ele teria acrescentado que a competição entre as empresas poderá fazer os preços caírem ainda mais. O governo deverá ainda tratar da Internet na área rural. A previsão do ministro é que em abril deste ano, seja divulgada a licitação. O acesso à rede nessas áreas será feito com tecnologia de rádio.

Homologação

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) publicou na última quarta-feira o Ato que homologa as novas tarifas para ligações fixo-móvel (VC1). Na prática, a partir de fevereiro deste ano as tarifas fixo-móvel já passam a custar em média 10,78% mais baratas em relação à tarifa praticada desde o último reajuste que foi em fevereiro de 2010.