Publicado em

O Magazine Luiza, terceira maior rede de eletroeletrônicos do País, concluiu seu processo de entrada na capital paulista com a compra da Kolumbus e a finalização de seu centro de distribuição (CD), em Louveria, e já está de olho em outras praças. Segundo fontes de mercado, os executivos comandados por Luiza Helena Trajano têm mantido conversas com lojistas do Espírito Santo, para entender o mercado da região. Essa estratégia estaria de acordo com a tendência do mercado varejista, que tem buscado aumentar a participação no estado, como fez a Casas Bahia, líder no varejo de móveis e eletros, que anunciou a abertura de nove lojas em dezembro. Já pensando nessa expansão, em junho deste ano, a rede inaugurou um centro em Duque de Caxias (RJ) com objetivo de abastecer suas unidades no Rio de Janeiro, na região leste de Minas Gerais e no Espírito Santo.

Investimentos significativos em diversos segmentos - como ampliação das instalações da Petrobras, ampliação portuária e novos projetos no setor de siderurgia - são o que tem colocado os holofotes sobre o estado capixaba que, por conseqüência, tem atraído a atenção dos varejistas.

Investimento

O investimento para o centro de Louveira do Magazine Luiza foi de R$ 57 milhões. O empreendimento possui 280 mil metros quadrados de área total, e 62 mil m² de área construída. O complexo foi erguido em sete meses. "Com a inauguração do CD, temos toda a infra-estrutura para entrar de maneira eficiente no mercado paulistano", afirma Frederico Trajano, diretor de Marketing e Vendas. Segundo ele, o centro de distribuição Bandeirantes surgiu da necessidade de redimensionamento da malha logística e vai atender ao plano de expansão do empresa, além de dar suporte à cidade de São Paulo, que reúne o maior número de clientes do site.

"Este CD também vai atender às cidades do sul de Minas Gerais, do litoral paulista e das regiões de Campinas, Sorocaba e Vale do Paraíba. Sua concepção foi baseada em modernos sistemas de logística. Inicialmente, o centro contemplará 45 mil posições paletes, mas sua capacidade total é de 70 mil posições", diz o diretor de logística do Magazine Luiza, Carlos Gomes. "Escolhemos a Rodovia Bandeirantes pela ótima localização geográfica em relação às diversas filiais da rede, pela proximidade com nossos fornecedores e também já nos preparando para a nossa entrada na capital paulista em 2008", conclui.

Além deste Centro de Distribuição, a empresa possui mais cinco unidades, localizadas em Ribeirão Preto (SP), Ibiporã (PR), Caxias do Sul (RS), Navegantes (SC) e Contagem (MG).

Ricardo Eletro

A rede mineira Ricardo Eletro, também fortaleceu sua logística em 2007. Com a aquisição da Lojas Mig, em meados deste ano, a empresa levou os Centros de Distribuição de Goiás e os entrepostos de Brasília e Espírito Santo. Com as 86 novas lojas da rede Mig, a companhia dos irmãos Ricardo e Rodrigo Nunes deve fechar 2007 com 240 lojas, em seis estados. Todas as lojas foram reformadas para atuar com a bandeira da Ricardo Eletro.

Megastores

Na semana passada, a rede inaugurou sua primeira megastore da Região Centro-Oeste, no centro de Goiânia. A megaloja tem espaços exclusivos para a indústria e irá proporcionar aos consumidores ambientes de experimentação de produtos.

Em outubro, a Ricardo Eletro abriu megastores em Vitória (ES) e Ribeirão Preto (SP). A próxima grande loja está prevista para ser inaugurada em Uberlândia (MG), no início de dezembro. Com a expansão, haverá, ao todo, sete megalojas da rede, que já possui duas em Belo Horizonte e uma em Salvador.

Cada nova megaloja contará de 12 a 16 estandes de fabricantes. Neles, serão montados ambientes decorados, onde os consumidores poderão conhecer melhor as propriedades dos equipamentos, como home theaters, geladeiras, aparelhos de som e televisores.

As megastores da Ricardo Eletro são mais sofisticadas do que as demais lojas da rede. Elas possuem pé-direito duplo, ar-condicionado e revestimento diferenciado. "A abertura da megastore em Goiânia representa um diferencial estratégico de vendas na região, um mercado importante para o País e onde a Ricardo Eletro está investindo de forma competitiva, para ser a marca mais lembrada pelos consumidores", diz o vice-presidente da rede, Rodrigo Nunes. A rede, fundada em 1989, com 20 metros quadrados de área de vendas, em Divinópolis, hoje conta com cerca de 8 mil colaboradores e espera alcançar uma receita de R$ 1,7 bilhão neste ano.