Publicado em

SÃO PAULO - Buscando melhorar o relacionamento entre funcionários de uma mesma empresa, o bynd criou uma plataforma que facilita as caronas compartilhadas corporativas. Por meio da solução, colaboradores dividem um mesmo veículo, diminuindo os gastos com transportes e a depreciação do automóvel. Além disso, a proposta é contribuir com o meio ambiente, reduzindo a emissão de poluentes.



A empresa nascente foi acelerada pela Oxigênio e Plug and Play e recebeu investimento de US$ 50 mil. Também ganhou um aporte de R$ 68 mil do Seed, programa de aceleração mineiro.



Criada em São Paulo há 1 ano e meio, a startup esteve em fase de testes em 2016, não obtendo faturamento neste ano. Atualmente, a empresa já conta com 11 clientes, dentre eles a Nokia, o Mercado Livre e a Porto Seguro. No momento, o bynd atua na Região Metropolitana de São Paulo e planeja chegar ao Rio de Janeiro e também nos estados do Sul até o fim deste ano.



Para monetizar, a startup cobra uma mensalidade das empresas de acordo com o número de funcionários ou de unidades atendidas. Para os colaboradores, não há custos para a utilização. O bynd não revelou o faturamento. No entanto, pretende atingir 18 mil caronas registradas até o final de 2017.



Com uma parceria com a rede de fidelidade Multiplus, a plataforma disponibiliza 200 pontos por carona para todos os integrantes no veículo. Estes pontos podem ser usados para descontos em passagens aéreas, produtos e serviços.



Além das caronas entre os funcionários cadastrados, há também a possibilidade destes convidarem outros pré-cadatrados. A pessoa que faz o convite ganha pontos por estar estimulando o uso do serviço para os outros.



Sócio do bynd, Gustavo Gracitelli diz que a ideia surgiu a partir de uma longa viajem feita com alguns amigos, utilizando apenas um carro. No meio do percurso, ele percebeu que a viagem compartilhada era o ponto forte da aventura e se interessou em criar algo que incentivasse a procura das pessoas em dividir caronas entre si.



Segundo o gerente de pesquisa e desenvolvimento de Tecnologia da Informação (TI) da Porto Seguro, Maurício Martinez, a empresa, que é cliente da startup,  já notou uma diferença em quase um ano de utilização do serviço. "Não lucramos com o uso deste aplicativo, mas o ambiente entre os funcionários melhorou e muito nesse tempo de uso", garante.