Publicado em

SÃO PAULO - Manter a temperatura ambiente estabilizada e evitar perdas de material é uma das tarefas rotineiras de quem trabalha nas áreas de saúde e alimentos. Para facilitar esse monitoramento e aumentar a produtividade dos equipamentos, a Sensorweb, startup de Florianópolis, criou um serviço de supervisão de máquinas refrigeradoras na nuvem.



Vencedora do prêmio da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) de melhor empresa incubada em 2016, a startup promete solucionar a dificuldade de manter bancos de sangue e frigoríficos climatizados por meio da verificação constante da temperatura, por meio da tecnologia.



A startup, fundada em julho de 2009 e incubada pelo MIDI Tecnológico de Florianópolis, fechou contrato com seu primeiro cliente, o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, no fim de 2012. Em 2016, a Sensorweb, cresceu um pouco mais de 50% e conseguiu resultados positivos, segundo Douglas Pesavento, cofundador e CEO. "Ano passado foi um ano de superação para nós, mas conseguimos algo que toda startup busca: faturar mais do que gasta", conta. Em 2017, a perspectiva é crescer o faturamento em 80%.



O sistema desenvolvido pela Sensorweb, idealizado por Douglas e o cofundador Victor Rocha Pusch, ambos engenheiros de controle e automação industrial, utiliza a transmissão de dados de maneira simples. Sensores instalados nos equipamentos captam os dados da temperatura do ambiente e enviam para a central de dados, que é hospedada na nuvem. Já na web, os dados são arquivados e disponibilizados em um painel de informações acessível no computador e no aplicativo da startup catarinense.



A solução apresentada foi desenvolvida a partir da percepção de que a área de saúde tinha um grande potencial. Segundo levantamento da própria empresa, grande parte dos 7 mil hospitais e 18 mil laboratórios apresentavam uma carência em comum. "Mais de 90% desses lugares não tinham um sistema automatizado nessa área, e entendemos que os números eram interessantes", conta Pesavento.



Segundo o cofundador, a grande vantagem desse sistema é a possibilidade de pegar os dados da nuvem e, em caso de uma grande oscilação de temperatura, avisar o cliente o quanto antes. "Qualquer problema que vier a acontecer, o cliente receberá um aviso no celular, seja no próprio app ou por sms", conta.



Além dos dispositivos eletrônicos, o sistema inclui alertas sonoros nos computadores da rede interna dos clientes. Os alarmes emitidos, segundo o empreendedor, são um dos grandes benefícios que seus clientes podem receber, para evitar perdas de material por climatização inadequada.



Monitoramento mais eficaz



O engenheiro Marco Feresin, que trabalha há oito anos com manutenção e projetos de refrigeração na área da alimentação e hoje atua na rede de supermercados Coop, afirma que o monitoramento online é necessário. "Os produtos de câmaras e balcões frigoríficos não reclamam se está quente ou frio, por isso que os alarmes devem ser online, para que se possa tomar atitudes em tempo real", afirma.



Para Feresin, porém, a presença de um especialista técnico torna o sistema mais eficaz. "Um especialista interpretando os gráficos de temperatura, o tempo de porta aberta, vai saber que direção seguir para manter a climatização regulada", avalia. Para o engenheiro, aliar o conhecimento do sistema online com o de operações é essencial para manter a temperatura nos níveis requeridos.



É o caso do grupo Fleury, rede de laboratórios na área da saúde, uma das clientes da Sensorweb. O coordenador de Manutenção, Facilities e Projetos do Fleury, Rodrigo Vieira, afirma que os 15 equipamentos monitorados pelo serviço em nuvem da startup são acompanhados por uma equipe, sempre com o objetivo de preservar a temperatura dos freezers.



A análise realizada pela equipe do Fleury utiliza não só as informações fornecidas pelos sensores, tais como o tempo de abertura das geladeiras, mas também os diagramas de curva de tendências. "O gráfico é importante porque mostra a performance do equipamento nos últimos 30 dias", relata Vieira.



A leitura coerente dos gráficos, segundo o coordenador de manutenção, pode fazer uma geladeira ser trocada numa velocidade mais rápida em caso de problemas. "As máquinas funcionam 24h, em uma rotina intensa. Muitas vezes esses equipamentos precisam de manutenção imediata", diz.



Aliviando a burocracia e prevenindo erros



O sistema da Sensorweb também é um facilitador de registros. A gerente administrativa do Centro de Hematolgia e Hemoterapia de Santa Catarina (Hemosc), Bianca Schmitz, conta que, desde que os novos sensores da startup foram instalados, o monitoramento passou a armazenar todos os dados dos freezers.



O registro, que por exigência da legislação era feito a cada seis horas e consistia em anotar a temperatura manualmente, agora é realizado a cada 5 minutos e as informações ficam disponíveis no painel da Sensorweb na nuvem. "A anotação manual sempre teve o risco de rasura, esquecimento ou registro da temperatura do lado de fora das conservadoras de sangue", conta Bianca.



Auxiliar os clientes para que eles fiquem tranquilos é uma das questões apontadas por Pesavento como benefício do seu serviço. "Os registros são sempre arquivados, você tem o histórico de tudo a hora que quiser", afirma.



Com 500 pontos de monitoramento em 100 cidades de Santa Catarina, o Hemosc, segundo a gerente administrativa, sempre teve precaução com o monitoramento de temperatura, e reduzir o erro ao mínimo era necessário. "Nunca tivemos uma perda muito grave, mas é uma preocupação porque uma geladeira pode ter milhões de reais em reagentes, sangue e amostras", relata.