Publicado em

SÃO PAULO - Fundada na cidade de Florianópolis, em 2015, a startup Signa oferece cursos de capacitação profissional para surdos e mudos em sua plataforma on-line. Bem aceita no ecossistema nacional, o projeto já recebeu aportes que totalizam R$ 100 mil de processos de aceleração.



A ideia começou em um evento de empreendedorismo, o Startup Weekend. Na ocasião, os responsáveis pela elaboração do projeto ainda não se conheciam. Entre os três fundadores está Fabiola Borba, que convive com parente deficiente auditivo. A história pessoal, a partir dali, foi um dos motivos para criação da proposta de um negócio com impacto social.  



Segundo um dos sócio-fundadores da Signa, Leandro da Cunha, cerca de 50 usuários estão ativos na plataforma atualmente. "Até o final do ano, nossa expectativa é de chegar a 500 alunos cadastrados no sistema." Ainda de acordo com ele, essa projeção geraria um faturamento de R$ 30 mil por mês.



Adaptados para linguagem de sinais, conhecida como libras, os conteúdos disponíveis no sistema são produzidos pela própria equipe da Signa. Para a elaboração de determinados cursos, no entanto, a startup faz a contratação de um profissional especializado no tema de forma pontual. Após isso, este material educativo será ajustado à proposta didática da Signa.  



A plataforma possui módulos relacionados à fotografia, matemática financeira, Photoshop básico, Excel básico e edição de vídeos. Depois da realização das atividades, os alunos têm acesso ao suporte de dúvidas e ao gabarito das respectivas tarefas.



Totalmente on-line, cada curso tem um valor diferente. O preço para se inscrever nos módulos varia entre R$ 67,90 e R$ 139,90. Ao final da capacitação, os alunos receberão um certificado de conclusão fornecido pela Signa.



Em fevereiro de 2016, a empresa entrou para o programa de aceleração SEED, localizado em Minas Gerais. Durante seis meses, o projeto recebeu um aporte de R$ 40 mil, além do acesso a consultorias e treinamento. Após essa experiência, a Signa ingressou em outro programa, chamado de Sinápse da Inovação. Dessa vez, obtendo investimentos de R$ 60 mil.