Auxílio emergencial negado? Veja novas regras para contestar benefício

Nesta quarta-feira (16), o Ministério da Cidadania divulgou novas regras para contestar o auxílio emergencial negado, bloqueado ou cancelado.

Nesta quarta-feira (16), o Ministério da Cidadania divulgou novas regras para contestar o auxílio emergencial negado, bloqueado ou cancelado. As informações estão em portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU) de hoje.

O texto informa que a pasta vai disponibilizar uma ferramenta informatizada à Defensoria Pública da União (DPU), a qual deve permitir a contestação de dados contidos no sistema para que seja feita a reavaliação de elegibilidade para o auxílio emergencial.

Sendo assim, é a DPU que terá a responsabilidade de analisar os pedidos e documentos de quem contestar o auxílio emergencial negado, e também o auxílio residual de R$ 300. A instituição deverá registrar na ferramenta informatizada os dados de documentos que justifiquem o direito ao benefício.

A portaria diz que: “A contestação extrajudicial só poderá ser registrada na ferramenta informatizada após a análise conclusiva da Defensoria Pública da União de que os documentos apresentados sejam aptos a invalidar todos os motivos de inelegibilidade, bloqueios ou cancelamentos de parcelas mostrados em plataforma digital disponibilizada para consulta”.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Envio de documentos para contestar auxílio emergencial negado

O texto definiu também que quem quiser contestar o auxílio emergencial ou residual bloqueado deverá enviar documentos à DPU. Os quais variam de acordo com o motivo da negativa. Veja exemplos, a seguir.

Cidadão que recebe benefício previdenciário

Caso o motivo da negativa seja que o cidadão recebe benefício previdenciário ou assistencial, o beneficiário deverá apresentar documento do INSS que comprove o término ou suspensão do benefício.

Para adquirir esse documento, é preciso acessar o site ou aplicativo do Meu INSS e ir até o campo “Declaração de Beneficiário do INSS”.

Cidadão que recebe seguro desemprego ou seguro defeso

Em seguida, se o motivo da negativa é que o cidadão recebe seguro desemprego ou seguro defeso. Para contestar o auxílio emergencial o beneficiário deve apresentar documento que comprove o não recebimento, que pode ser uma carta de concessão do benefício em que constem as parcelas.

No caso do seguro defeso, a carta pode ser adquirida junto ao INSS. Já no seguro-desemprego, é necessário acessar o site do Ministério do Trabalho, na seção de Consulta de Habilitação do Seguro-Desemprego.

Cidadão que possui emprego formal

Ademais, se o motivo da inelegibilidade para o auxílio emergencial for que o beneficiário tenha emprego com carteira assinada, este deve enviar documento que comprove a inexistência de vínculo de emprego.

Para isso, pode se apresentar alguns dos itens abaixo:

  • Tela do CNIS que comprove a ausência de remuneração nos últimos 3 meses para vínculos em aberto, ou que comprove o vínculo fechado;
  • Carteira de trabalho;
  • Termo de rescisão de contrato de trabalho;
  • CNPJ da empresa, quando se tratar de empresa fechada.

A relação completa dos documentos e dos motivos das negativas pode ser verificada na portaria Nº 560.

 

Leia também:

 

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes