Adicional de periculosidade: veja quem tem direito e como calcular

O adicional de periculosidade é previsto em lei para trabalhadores que exercem atividade de risco de morte. Acréscimo de 30% sobre salário.

O adicional de periculosidade tem garantia pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) para trabalhadores que exercem atividades que oferecem risco de morte.

Sendo assim, o exercício de uma profissão considerada ‘perigosa’ pela lei garante um acréscimo de 30% sobre o salário do trabalhador.

Além disso, outros direitos trabalhistas sofrem reajustes pelo adicional de periculosidade. Ou seja, aviso prévio, remuneração de  férias, horas extras, FGTS e 13º salário têm cálculo com base no salário com adicional.

 

O que é?

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Uma atividade perigosa é “aquela que,  por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem risco acentuado em virtude de exposição permanente do trabalhador a inflamáveis, explosivos ou energia elétrica”. Mas também, quando o empregado tem exposição “a roubos ou outras espécies de violência física nas atividades de segurança pessoal ou patrimonial”, conforme o artigo 193 da CLT.

Por fim, “o trabalho em condições de periculosidade assegura ao empregado um adicional de 30% sobre o salário sem os acréscimos resultantes de gratificações, prêmios ou participações nos lucros da empresa”, previsto no artigo 193.

Quem tem direito?

O adicional de periculosidade se destina para profissionais como motoboys, engenheiros elétricos, guardas patrimoniais, seguranças, vigilantes e policiais. Isso porque tais profissões levam em conta o risco de morte dos trabalhadores.

 

Como calcular o adicional de periculosidade?

O adicional de periculosidade tem uma porcentagem definida, diferente do adicional de insalubridade que varia conforme o risco. Dessa forma, o trabalhador tem direito ao acréscimo de 30% do valor do salário de contratação.

Ou seja, se o profissional possui salário contratual de um salário mínimo federal (R$ 1.045,00), o adicional será de R$ 313,50. Sendo assim, o empregado deve receber R$ 1.358,50 por mês, salário mais adicional.

Confira os cálculos:

  • Salário do trabalhador = R$ 1.045,00
  • 30% do Salário do trabalhador = R$ (1045,00 x 30) / 100 =  R$ 313,50
  • Salário do trabalhador com adicional de periculosidade = R$ 1.045,00 + R$ 313,50 = R$ 1.358,50 por mês

Vale lembrar que o adicional de periculosidade reflete no cálculo do 13º salário, férias, FGTS e aviso prévio. Contudo, contribuições do INSS e eventuais gratificações, prêmios ou participações nos lucros da empresa, conforme o artigo 193 da CLT.

Diferença entre adicional de periculosidade e insalubridade

O adicional de periculosidade tem uma alíquota única de 30% sobre o salário do trabalhador, sendo assim, com pagamentos em exercício de atividades que oferecem risco à vida.

Já, a insalubridade corresponde ao trabalho com perigo de exposição à temperaturas excessivas, substâncias ou quaisquer outras condições que podem causar danos à saúde do empregado. Dessa forma, a alíquota varia conforme o grau de exposição, entre 10% a 40%.

Em suma, a diferença entre insalubridade e periculosidade está na natureza da atividade. Contudo, não há como receber os dois tipos de adicionais, insalubridade e periculosidade, em conjunto.

 

Leia também

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes