Fiesp quer que montadoras brasileiras comprem mais autopeças da Argentina

FIESP QUER QUE MONTADORAS BRASILEIRAS COMPREM MAIS AUTOPEÇAS DA ARGENTINA

SÃO PAULO – O PRESIDENTE DA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO (FIESP)”,”

SÃO PAULO – O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, informou nesta segunda-feira (12) que a entidade vai se reunir com as montadoras de automóveis para estimular o setor a comprar mais  autopeças da Argentina. Esse foi um dos resultados da reunião que Skaf teve com o embaixador da Argentina no Brasil, Luis Maria Krecler, na sede da entidade.
O objetivo do encontro foi planejar um evento em Buenos Aires no mês de abril para mostrar a competitividade atual da Argentina e estimular as vendas de produtos argentinos no Brasil. “Estamos elencando todos os produtos com potencial de produção da Argentina e que o Brasil pode comprar, mas, no momento, está comprando de outros [países]”, explicou Skaf.
De acordo com Skaf, em reunião recente com autoridades argentinas em Buenos Aires, a conclusão foi que o Brasil precisa comprar mais da Argentina. “Não há nada de ruim em vender bastante para a Argentina, porém, a busca de um equilíbrio maior no comércio é necessária. Então, estamos observando que desde 2005 o Brasil tem registrado consecutivos superávits na balança comercial com a Argentina”. No ano passado, esse superávit foi US$ 5,8 bilhões.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Skaf falou também sobre a necessidade de o importador argentino apresentar ao Fisco daquele país uma declaração a respeito de tudo o que pretende comprar de outros países. Ele disse que, quando esteve em Buenos Aires, recebeu a garantia de que o objetivo da medida, que entrou em vigor no início de fevereiro, não é prejudicar o comércio com o Brasil. “O prazo do governo argentino é 15 dias para a solução desse problema. Demos um voto de confiança”.
O embaixador da Argentina no Brasil, Luis Maria Krecler, assegurou que o governo dele não tem metas para a redução do déficit comercial com o Brasil. “Não vamos fazer futurologia. Minha missão como técnico de comércio exterior é reduzir o déficit”, disse o diplomata. Sobre a medida imposta pela Casa Rosada aos importadores argentinos, Krecler assegurou que a regra não tem a intenção de prejudicar o Brasil. “É uma medida de melhor supervisão das importações de todo o mundo, não só do Brasil. Não vamos falar de demora quando recém estamos implementando isso”.
Krecler ressaltou que o governo da Argentina não teme que o Brasil adote medidas para restingir a importação de produtos argentinos.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes