Mercado de luxo vive momento de venda fraca e saída de grifes

Desde o início de 2016, ao menos dez grifes de luxo deixaram o País. Especialistas acreditam que outras possam seguir o mesmo caminho.

São Paulo – Com um resultado fraco no ano passado e perspectivas ainda tímidas para este ano, o mercado de luxo brasileiro não passa pelo seu melhor momento. Maior prova disso é a saída expressiva de marcas do Brasil. Desde o início de 2016 até agora, ao menos dez grifes deixaram o País e especialistas acreditam que outras possam seguir o mesmo caminho. A estimativa é da Associação Brasileira de Empresas de Luxo (Abrael), entidade que reúne 60 companhias do segmento.

Presidente da associação, Freddy Rabbat cita como exemplo a francesa Longchamp, que fechou suas lojas em abril, a marca de relógios suíços Piaget, e a doceria Ladurée, que encerrou sua operação brasileira há pouco mais de um mês. Além das três, marcas como a Vilebrequin, Lanvin, Kate Spade e Vacheron Constantin também bateram em retirada com a crise. “Para atuar no Brasil, o custo operacional e o preço dos produtos precisam ser muito baixos – para compensar os impostos altíssimos -, o que faz com as margens do fabricante, distribuidor e lojista sejam extremamente apertadas. Qualquer erro no meio do caminho faz com a empresa opere no prejuízo”, explica. Pela dificuldade específica de atuar no Brasil, completa o empresário, muitas marcas internacionais começaram a entender [com o cenário de recessão] que é melhor realizar o prejuízo e realocar o investimento para outros mercados, pelo menos de forma temporária. O movimento, segundo o coordenador do programa de gestão do luxo da Fundação Armando Alvares Penteado (Faap), Silvio Passarelli, pode continuar daqui para frente, com outras marcas do segmento deixando o País. Uma das grandes que pode seguir o mesmo caminho, aponta, é a grife de carros Rolls Royce. “O que acontece é que a marca começa a patinar, os custos fixos são elevados, e a sede passa a entender que é melhor recolher temporariamente, para não desgastar a imagem, e esperar um momento melhor para voltar.”

À frente da distribuição dos uísques single malt The Macallan no Brasil (que chegam a custar quase R$ 2 mil), o empresário Mauricio Leme também sinaliza para a possibilidade de que outras marcas encerrem a operação localmente. “Em alguns segmentos as que tinham que sair já saíram, mas no de automóveis talvez tenham operações para sair e no de acessórios femininos também.” Ao contrário do cenário visto no segmento, a marca de bebida escocesa tem crescido no Brasil em faturamento. Sem abrir números, Leme afirma que houve um avanço no ano passado, frente a 2015, e que a perspectiva para este ano é de que as vendas registrem uma alta de dois dígitos. O impacto da recessão foi sentido pela marca em 2015, de acordo com ele, quando o faturamento retraiu, em comparação a 2014.

Shopping de luxoMercado de luxo: vendas fracas

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

No mercado como um todo o cenário é um pouco mais complicado. De acordo com dados da Euromonitor, as vendas do segmento retraíram 3% no ano passado, em termos reais, e a perspectiva para este ano é de um crescimento, em valor de venda, de 1% acima da inflação. O levantamento considera apenas os segmentos de vestuário e calçados, jóias, relógios, bebidas, artigos de couro, instrumentos de escrita, óculos e produtos de beleza (excluindo, por exemplo, carros e imóveis). A expectativa da consultoria GS&BGH, especializada em varejo e parte do grupo Gouvêa de Souza, é ainda mais conservadora. O sócio diretor da empresa, Marcos Hirai, afirma que a tendência é que o mercado de luxo ande de lado este ano, principalmente após a piora da crise política, com a delação dos executivos da JBS em maio. “No começo do ano tivemos uma centelha de que as coisas estavam melhorando, mas novamente a confiança voltou a cair. Mesmo o consumidor da classe A fica sem ânimo para comprar”, diz. Isso ocorre, segundo Rabbat, da Abrael, porque o consumo de luxo funciona como um prêmio. Em outras palavras, o consumidor compra para marcar uma data. “Mesmo que a pessoa não esteja em crise, ela vê seu vizinho demitindo, fechando a empresa, e fica sem o humor necessário para comprar. Eu não estou celebrando, porque vou consumir luxo?”, questiona.

Descentralização

Apesar do cenário, o professor da Faap, Silvio Passarelli, aponta para um movimento positivo que vem ocorrendo no setor: a descentralização. O especialista afirma que o mercado ainda é muito concentrado nas regiões sul e sudeste, que representam cerca de 80% do volume de vendas, mas que o segmento vem passando por um processo lento e gradual de descentralização. “Acho que o luxo ainda é um fenômeno sul e sudeste, e continuará sendo por alguns anos, mas já vemos um movimento de descentralização e dentro de uma década devemos ter um mercado mais desenvolvido.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes