Estudo de anticorpos traz esperança para vacina de covid-19

Anticorpos do coronavírus podem ficar no corpo por até quatro meses após o diagnóstico, diz novo estudo de anticorpos realizado na Islândia

Recentemente, um estudo de anticorpos trouxe esperança para a vacina contra covid-19.

A nova pesquisa foi feita pela de CODE Genetics, sediada em Reykjavik, uma subsidiária da empresa de biotecnologia americana Amgen. Bem como contou a participação de vários hospitais, universidades e autoridades de saúde na Islândia.

De acordo com as novas descobertas dos cientistas, os anticorpos que as pessoas produzem para combater o novo coronavírus duram pelo menos quatro meses após o diagnóstico e não desaparecem rapidamente. 

Contudo, alguns relatórios de estudos realizados anteriormente meses sugeriram o contrário.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O relatório, disponibilizado na última terça-feira (2), mostrou análises feitas em mais de 30.000 pessoas na Islândia. Até o momento, este é o trabalho mais extenso sobre a resposta do sistema imunológico ao vírus. 

De acordo com os os cientistas, o resultado do estudo de anticorpos é uma boa notícia para os laboratórios e pesquisadores envolvidos na busca de uma vacina para o coronavírus.

 

estudo de anticorpos
Imagem: Reprodução / Jorge Sepúlveda

Vacina do covid-19: estudo de anticorpos traz esperanças para 

 

De acordo com os especialistas independentes da Universidade de Harvard e do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos, se uma vacina pode estimular a produção de anticorpos de longa duração como a infecção natural, dá esperança de que “a imunidade a este vírus imprevisível e altamente contagioso pode não ser passageira”. 

Eles escreveram essas considerações em um artigo publicado com o estudo no New England Journal of Medicine.

Um dos grandes mistérios da pandemia é saber se uma dose da vacina do coronavírus será suficiente para proteger contra infecções no futuro e por quanto tempo. 

Anteriormente, alguns estudos menores sugeriram que os anticorpos desaparecem rapidamente. Além disso, algumas pessoas com poucos ou nenhum sintoma podem não produzi-los em grande quantidade.

Porém, o novo estudo prevê que o tempo que os anticorpos podem ficar no corpo é de até 4 meses. Isso abre mais hipóteses para uma vacina que tenha mais de uma dose e também de novas análises sobre a resistência do vírus.

Informar Erro
Fonte CNBC

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes