Clubes contra a Globo: Flamengo não é o primeiro a brigar com a emissora

Negociação de direitos de transmissão e outras tretas: veja os casos de clubes que se voltaram contra a Globo

O Flamengo protagonizou a mais recente briga de clubes contra a Globo ao recusar a renovação do contrato de direitos de TV do Campeonato Carioca. Assim, a transmissão dos jogos decisivos do estadual do Rio acabou ficando com os canais dos times no Youtube, e a grande final passou no SBT.

Mas o Flamengo só pôde negociar com o SBT graças à aproximação com o presidente Jair Bolsonaro, que sancionou a Medida Provisória 984. Com isso, os direitos de transmissão passaram a ser do clube mandante. Mais um golpe na Globo, pois os clubes que fecharam com a Turner podem ter seus jogos transmitidos na TNT mesmo que o time visitante tenha fechado com a emissora carioca.

Apesar de toda essa disputa, a Globo poderá transmitir normalmente os jogos do Flamengo no Campeonato Brasileiro, seja na TV aberta ou fechada. Afinal, para os jogos da liga nacional, a emissora ainda tem contrato com o clube até 2024. Ainda assim, a briga acabou mudando a forma de negociação de direitos de TV. No entanto, não foi a primeira insurgência de clubes contra a Globo – e nem deverá ser a última. Relembre outros casos a seguir.

Clubes contra a Globo

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Palmeiras

Os primeiros cinco jogos do Palmeiras no Brasileirão de 2019 não tiveram transmissão pela Globo, porque as duas partes não tinham chegado a um acordo sobre a negociação dos direitos de transmissão. O clube não aceitava receber menos pelo fato de ter assinado com a Turner para a TV fechada. Só a partir da sexta rodada a emissora aceitou pagar o valor normal, e enfim pôde exibir os jogos do Alviverde na TV aberta e no pay-per-view.

Athletico

Sem acordo para a transmissão dos jogos do Campeonato Paranaense, o Athletico impediu a entrada de emissoras em seus jogos no estadual de 2018 e chegou a pregar uma peça na Globo. Na ocasião, o Furacão se recusou a enviar os melhores momentos de uma vitória sobre o Londrina. Em vez disso, mandou três minutos reunindo os piores momentos, com lances mostrando jogadores caindo e jogadas sem perigo, sem o gol que definiu a partida.

Red Bull Bragantino

Campeão da última edição da Série B e candidato a ser uma das sensações do Brasileirão 2020, o Red Bull Bragantino é o único clube que não assinou contrato com a Globo para as transmissões de seus jogos na TV aberta, e ainda não tem nenhum acordo para a TV fechada. O clube recusou uma proposta de R$ 30 milhões e decidiu exibir seus jogos apenas pelo Youtube.

A emissora apresentou uma contraproposta e conseguiu encerrar o impasse ao condicionar o valor final à quantidade de jogos transmitidos e à posição final do time no campeonato. Mas os dirigentes ainda pretendem, um dia, fazer com que os narradores e comentaristas da Globo possam falar o nome do inteiro do clube. Com o patrocinador, em vez de só Bragantino.

Santos

Embora tenha assinado com a Turner para a TV fechada, a maior briga do Santos contra a Globo teve a ver com a suposta interferência externa na arbitragem por parte do repórter Eric Faria em um jogo contra o Flamengo na Copa do Brasil de 2017. O time da Baixada chegou a pedir a anulação da partida no STJD, mas acabou voltando atrás.

Cruzeiro

O jogo de volta da semifinal do Campeonato Mineiro de 2015 contra o Atlético-MG estava marcado para um domingo. Dois dias depois, o Cruzeiro precisaria entrar em campo novamente pela última rodada da fase de grupos da Libertadores. Por isso, tentou antecipar o compromisso no estadual para sábado.

A Globo, detentora dos direitos de transmissão, consultou o Atlético-MG, que foi contrário à mudança. Assim, a emissora recomendou à federação que a data fosse mantida. O Cruzeiro recorreu em todas as instâncias e chegou a pedir a antecipação do jogo na Justiça do Trabalho, mas não obteve sucesso. Em campo, a Raposa levou a pior no clássico estadual, mas avançou na Libertadores e chegou até às quartas de final.

Vasco

Caneca do Vasco inspirada na camisa do título de 2000
Reprodução/Mercado Livre

Quando se fala em briga de clubes contra a Globo, impossível não lembrar da final da Copa João Havelange de 2000. O Vasco tinha a vantagem de um gol fora de casa contra o São Caetano, mas o alambrado de um superlotado estádio de São Januário desabou aos 23 minutos do primeiro tempo, após uma briga nas arquibancadas. O dirigente vascaíno Eurico Miranda queria continuar a partida, mas o governador do Rio, Anthony Garotinho, ordenou que o jogo fosse suspenso.

Eurico chegou a dizer que a Globo fez pressão para que o jogo fosse interrompido, pois caso continuasse, entraria no horário da novela Uga Uga. Além disso, o polêmico dirigente estava irritado com a cobertura da emissora sobre o caso. Como retaliação, ele resolveu fazer uma homenagem para a concorrente.

Com transmissão da Globo e narração de Galvão Bueno, Vasco e São Caetano voltaram a se enfrentar no dia 18 de janeiro de 2001, no Maracanã. Naquele dia, o Vasco entrou em campo com o logotipo do SBT estampado no uniforme, surpreendendo a todos. O time carioca venceu por 3 a 1 e ficou com o título. Usada apenas uma vez, aquela camisa se tornou uma das mais raras do futebol brasileiro. Na falta dela, colecionadores vencem até canecas inspiradas no icônico uniforme cruzmaltino.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes