Covid no Brasileirão: surto da doença pode paralisar campeonato

Alto número de casos de covid-19 em todas as divisões do Brasileirão põe em risco a continuidade dos campeonatos

No mesmo fim de semana em que o Brasil chegou à marca de 100 mil mortes por coronavírus, começaram os campeonatos nacionais das séries A, B e C. Por consequência, os resultados fora de campo foram desastrosos, com um surto de covid no Brasileirão que ameaça interferir na disputa e até interrompê-la.

Covid no Brasileirão: cronologia

No sábado, dia 8 de agosto, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) deu início ao Campeonato Brasileiro. A Série B já tinha feito seus primeiro jogos no dia anterior, e a Série C também iniciava os trabalhos. No primeiro dia, tudo pareceu correr dentro do planejado. O dia seguinte, no entanto, começou com duas notícias preocupantes.

Gandula tem que higienizar a bola Foto: Lucas Figueiredo/CBF

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Goiás x São Paulo

Na manhã de domingo, dia 9, o Goiás recebeu a notícia de que dez jogadores do elenco estavam contaminados com covid-19. No mesmo dia, o clube faria sua estreia no Brasileirão contra o São Paulo. O time paulista viajou até Goiânia e já estava alinhado no gramado do estádio Serrinha quando veio a confirmação do adiamento da partida.

Segundo a CBF, um problema de logística causou o atraso da entrega dos resultados dos exames feitos pelo Hospital Albert Einstein, reponsável por realizar os testes de covid-19 no Brasileirão. O jogo entre Goiás e São Paulo ainda não tem nova data para acontecer. Mas este não foi o único problema naquele domingo.

Treze x Imperatriz

Pela Série C, o Imperatriz, do Maranhão, viajou até Campina Grande, na Paraíba, para enfrentar o Treze. Chegando lá, a delegação do clube maranhense ficou sabendo que 12 jogadores testaram positivo para covid-19. O time do Treze já estava dentro do estádio quando a partida foi adiada.

CSA x Guarani

Antes da estreia na Série B contra o Guarani, o CSA precisou afastar oito jogadores que testaram positivo para o coronavírus. O jogo foi realizado mesmo assim, e apesar dos desfalques, o time alagoano venceu por 1 a 0. O problema é que, depois da partida, o número de infectados dobrou, e mais da metade do elenco precisou ser isolada. Assim, o jogo contra a Chapecoense foi adiado.

Corinthians

No dia anterior ao compromisso contra o Atlético-MG em Belo Horizonte na estreia do time no Brasileirão, o Corinthians anunciou três casos confirmados de coronavírus. Além do zagueiro Gil e do atacante Léo Natel, um profissional do clube também foi infectado. Com os dois desfalques, o alvinegro estreou com derrota por 3 a 2.

Atlético-GO

Na véspera da estreia no Brasileirão contra o Flamengo, o time goiano ficou sabendo pela TV que tinha quatro jogadores com covid-19. Depois que o secretário-geral da CBF fez o anúncio em uma entrevista, o clube recorreu e alegou que os jogadores tinham feito o teste há mais de dez dias, e estavam assintomáticos. O recurso foi aceito, e os atletas então foram relacionados na vitória por 3 a 0 sobre o Flamengo.

Mudança de protocolo

Depois que os jogos adiados na primeira rodada do Brasileirão, a CBF anunciou mudanças no protocolo de covid-19. As testagens a cada rodada foram ampliadas para todos os inscritos na competição, mesmo que não estejam relacionados. E os clubes foram liberados a realizarem os exames em laboratórios locais, para evitar problemas de logística no envio dos resultados pelo Hospital Albert Einstein.

“O resultados deverão ser enviados à CBF até 24h antes da partida pelo clube mandante e até 12h antes da viagem pelo clube visitante, o que permitirá que qualquer equipe proceda a troca de eventuais jogadores com teste positivo”, informa o comunicado da entidade.

Chance de paralisação por covid no Brasileirão

Para o Sindicato dos Atletas de São Paulo, no entanto, as mudanças no protocolo não são suficientes. A entidade pede mudanças mais profundas para proteger a saúde dos jogadores e profissionais dos clubes. E caso não seja atendida, ameaça ir à Justiça para pedir a paralisação do futebol brasileiro nas três divisões já em andamento.

Em documento enviado à CBF, a entidade exige que os jogadores permaneçam isolados por pelo menos sete dias antes dos jogos, como foi feito na Alemanha. Mas o calendário apertado do Brasileirão inviabilizaria esta opção. Outra alternativa apresentada pelo sindicato foi o isolamento permanente, a exemplo do que tem sido feito na bolha da NBA.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes