Governo Bolsonaro vai gastar R$ 4,5 milhões em eventos para militares

O governo federal lançou edital de licitação que prevê gastar quantia milionária em coquetéis, almoços e jantares para militares das Forças Armadas

O governo federal, gestão de Jair Bolsonaro (sem partido) lançou no dia 15 de janeiro de 2021, um edital de licitação em que prevê gastar mais de R$ 4,5 milhões em coquetéis, almoços, decoração e jantares promovidos por militares do Exército Brasileiro.

Governo Bolsonaro irá oferecer jantar com valor de R$ 190 por pessoa

A contratação dos serviços está sendo feita pelo Ministério da Defesa. As cerimônias, que chegam a reunir mais de 7 mil pessoas, serão realizadas no próprio ministério, assim como em outras unidades das Forças Armadas. Entidades como o Batalhão de Polícia do Exército, Escola Superior de Guerra, Colégio Militar de Brasília, Batalhão de Guarda Presidencial receberão os bufês – que incluem jantar à francesa, sob preço de referência de R$ 190 por pessoa, assim como licores italianos e sul-africanos. 

A licitação também exige licores como o italiano Frangélio e o sul-africano Amarulla e bombons finos para o momento da despedida. 

 

Segundo o SBT, a compra também prevê desembolsar R$ 413 em cada um dos 76 arranjos de flores que serão usados para decoração. A decoração inclui também a compra coroa de flores do campo com mais 30 rosas e complementos, ao preço de R$ 249 – serão arrematadas 52 delas. 

As compras, segundo a licitação, tem “o objeto da presente licitação é a escolha da proposta mais vantajosa para a contratação de serviços de buffet para coquetel volante, coffee break, almoço e jantar e arranjos decorativos, destinados ao cerimonial militar e eventos protocolares de caráter institucional da Secretaria-Geral do Exército – SGEx e órgão participantes”.

 

Covid-19 no Brasil

O país registrou 1.131 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 208.291 óbitos desde o começo da pandemia. A variação da média móvel de mortes foi de +37% em comparação à média de 14 dias atrás, indicando tendência de crescimento nos óbitos pela doença.

Vale lembrar que o Amazonas vive um avanço nos números da doença e está com quase todos leitos clínicos e de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ocupados no estado. Na última sexta-feira, veio à tona a notícia de que os hospitais do Amazonas estão sem oxigênio para tratar pacientes com a Covid-19.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes