Sindicato aponta que 90% do comércio de BH teve prejuízos em 2020

Pesquisa feita pelo Sindicato de Lojistas de Belo Horizonte (Sindilojas-BH) com comerciantes da cidade revela resultados negativos em 2020 e faz apelo à órgãos governamentais para melhora neste ano

O Sindicato de Lojistas de Belo Horizonte (Sindilojas-BH) divulgou hoje (07/01) pesquisa que mostra que, devido à crise da pandemia, 90% do comércio da cidade teve resultado negativo no acumulado do ano de 2020. A pesquisa foi divulgada poucas horas antes do prefeito Alexandre Kalil (PSD) anunciar um novo lockdown a partir de segunda-feira (11/01). 

 

Metade dos comércios de BH podem ter seus faturamentos prejudicados em 2021

Os resultados são fruto de um estudo realizado entre os dias 30 de dezembro até o dia 04 com 107 lojas do comércio da Grande BH – que representam 535 lojas de rua e em shoppings de dez segmentos. A pesquisa ainda revelou que a crise econômica gerada pela pandemia deverá afetar o faturamento de quase metade (41%) dos empreendimentos em 2021, segundo a opinião dos lojistas.

 

O presidente do Sindilojas-BH, Nadim Donato, expressou preocupação com os dados obtidos: “o resultado foi pior do que a gente esperava. Ficamos 5 meses fechados e acreditávamos que trabalhando os outros 7 meses conseguiríamos recuperar, mas houve perda em todos os meses. Complicadíssimo”, afirmou. 

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A pesquisa alerta que das nove em cada dez empresas que relataram redução de vendas no ano, 53% informaram que os ganhos caíram entre 21% e 50%. A preocupação se eleva pois, segundo os dados, nem mesmo em dezembro, tradicional período de compras, se observou uma melhora, para a maioria dos entrevistados. Segundo o levantamento, apenas 15% dos empreendimentos consultados perceberam aumento no faturamento naquele mês.

 

Sindicato faz apelo ao município, estado e federação pelo comércio

O presidente do Sindilojas-BH relatou que os lojistas do comércio de BH buscam a revisão da legislação que permite a suspensão do contrato de trabalho e a redução da carga horária. Donato ainda fez um apelo aos empresários entrevistados, para que enviassem sugestões sobre como os governos federal, estadual e municipal poderiam ajudar na recuperação do setor neste novo ano de 2021. 

 

O presidente do Sindilojas-BH ainda falou sobre o auxílio emergencial que, para ele, independentemente do valor, representa uma injeção de dinheiro no país, capaz de permitir que “o povo continue consumindo e mantendo a economia girando”. Sobre os empresários de Minas Gerais, Nadim espera que o governo estadual invista em capital de giro, com juros baixos e prazo maior. Já sobre a cidade de Belo Horizonte, o presidente do sindicato pediu que a prefeitura isente os empresários do pagamento do IPTU referente aos meses em que as lojas ficaram fechadas.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes