Modelo é presa no Egito por fazer fotos em pirâmides

Traje sensual e falta de autorização foram apontados como problemas.

Uma sessão se fotos virou motivo para uma modelo ser presa no Egito. Com vestido curto e justo, Salma Elshimy posou em frente à pirâmide Djoser, a mais antiga do país. O traje foi considerado “inadequado”, e como a moça não tinha autorização exigida para ensaios em sítios arqueológicos, ela acabou na prisão.

Como a modelo foi presa no Egito?

A egípcia Salma Elshimy publicou as imagens consideradas polêmicas em seu Instagram, que tem 156 mil seguidores. A prisão ocorreu após a sessão de fotos, realizada em Saqqara, um sítio arqueológico da cidade de Gizé. Ela e o fotógrafo foram detidos pela Polícia Turística, no dia 30 de novembro.

Foram apontados dois problemas com o trabalho realizado em frente à pirâmide de Djoser. As autoridades do Ministério do Turismo e Antiguidades do Egito informaram que a dupla não tinha autorização para realizar o “shooting” e a modelo ainda estava com trajes considerados “inadequados”: vestido branco tomara que caia, justo e curto, incrementado com acessórios inspirados em vestimentas faraônicas.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O fotógrafo Hossam Muhammed deu entrevista à emissora de TV americana CBS e contou que tinham feito um acordo com a equipe do sítio arqueológico, permitindo que as fotos fossem realizadas em até 15 minutos. Mas a legislação exige uma licença do Ministério do Turismo e Antiguidades para cliques ou vídeos com fins comerciais.

A direção do local revelou à CBS que quatro de seus funcionários e dois integrantes do ministério vão prestar depoimentos sobre o caso. Portanto, a investigação continua.

Tanto a modelo quanto o fotógrafo foram liberados, sob fiança de 1 mil libras egípcias, valor que corresponde a cerca de R$ 330. De acordo com o jornal O Globo, Salma ainda enfrenta um processo movido por um advogado egípcio que a acusa de “distorcer a civilização e insultar a grande história faraônica” e um membro do parlamento pediu a imposição de “punições mais severas” a ela.

Salma não é a primeira modelo presa no Egito. De acordo com o jornal “The New York Times”, desde abril, foram nove mulheres populares no Tik Tok, sob a acusação de “violação dos valores familiares”.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes