A crescente aposta do pequeno empreendedor nas vendas on-line

Além do e-commerce, ganham força no Brasil as vendas por meio de dispositivos móveis – celulares e tablets -, que criam uma rede de oportunidades.

A Loja Integrada, plataforma virtual lançada em 2013 para dar suporte a operações de micro e pequenas empresas interessadas em investir no comércio eletrônico, contabilizou em 2014 a criação de cerca de oito mil lojas por mês.  No cadastro da plataforma estão cerca de 140 mil lojas. Os números sinalizam a crescente aposta dos pequenos empreendedores nas vendas pela internet, nas mais diferentes áreas. Pelos dados da empresa, 72% desses lojistas investem até R$ 1 mil para iniciar o negócio, em um canal de vendas que cresce a taxas superiores a 20% ao ano.

Pesquisas semestrais da consultoria E-bit, considerando sites de e-commerce estabelecidos que emitam nota fiscal e aceitem cartões, mostram que o comércio eletrônico movimentou R$ 35,8 bilhões no ano passado,  24% acima de 2013. A previsão é de nova alta neste ano, de 20%, para R$ 43 bilhões. Empresas com até R$ 100 milhões de receita anual respondem por entre 10% e 15% do faturamento total, informa o diretor-executivo da E-bit, Pedro Guasti. Cerca de 50 sites contabilizam faturamento superior a este valor.  Ano passado, 51,5 milhões de internautas compraram – destes, 10,2 milhões pela primeira vez.  E as compras por meio de tablets e smartphones, o m-commerce, avançam rapidamente, respondendo atualmente por 9,7% de toda a venda pela internet – em junho de 2014 eram 7% e em janeiro daquele ano, 4,8%. O destaque fica com os smartphones, que começaram o ano passado com 33% de participação nesse total e terminaram com 65%.

Para Guasti, o comércio eletrônico conquistou mais confiança por fatores como a profissionalização do mercado e a vigilância do Código de Defesa do Consumidor, além de uma melhor estrutura de serviços. O potencial de crescimento é expressivo.  O e-commerce já responde por quase 10% das vendas do varejo nos EUA e 80% dos internautas são compradores virtuais. No Brasil, metade dos internautas compra pela internet e o e-commerce responde por 4% das vendas totais do varejo.

Vendas em marketplaces

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Vendas - e-commerceConsiderando também outras operações de venda pela internet, como os marketplaces, nos quais pessoas jurídicas e físicas, muitas vezes sem sites de vendas, oferecem seus produtos, como no Mercado Livre, a projeção de receita para este ano é de R$ 48 bilhões, com alta de 27%, informa o presidente da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), Maurício Salvador.  O executivo diz que a maioria das vendas nos marketplaces é de produtos novos e essas plataformas podem servir de porta de entrada nas vendas pela internet. De acordo com Salvador, a participação de micro, pequenas e médias empresas no faturamento do e-commerce passou de 6% em 2005 para 21% em 2014. O executivo atribui esta expansão ao maior acesso à tecnologia e aos custos mais acessíveis de mídia. Além disso, o internauta consegue ter mais informações sobre reclamações referentes ao vendedor virtual, o que ajuda a opção pela compra.

O presidente da Abcomm informa, entretanto, que cerca de 30% dos sites criados para vender na internet se mantêm ativos. Na Loja Integrada, este percentual fica próximo de 20%, segundo o diretor Adriano Caetano. O empresário afirma, no entanto, que o cenário hoje é de mais maturidade em comparação com o início da operação da plataforma. “Lojistas que começaram pequenos estão aumentando seu faturamento de forma escalonada, houve um crescimento médio de 40% em 2014”, diz.  Um levantamento junto aos lojistas mostrou que a maioria tem até 40 anos, ensino superior, conhecimento básico de informática e 80% deles se dedicam também a outras atividades.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes