Acarajé anima oposição para cassar mandato no TSE

OS PARLAMENTARES DA OPOSIÇÃO PRETENDEM USAR AS PROVAS APRESENTADAS NA 23º FASE DA OPERAÇÃO LAVA JATO, DENOMINADA DE ARACAJÉ,

Os parlamentares da oposição pretendem usar as provas apresentadas na 2º fase da Operação Lava Jato, denominada de Aracajé, para reforçaar ação movida pelo PSDB no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a chapa Dilma Rousseff/Michel Temer, eleita em 2014.

A ideia é solicitar que as provas obtidas sobre os pagamentos feitos pela Odebrecht a contas do publicitário João Santana, marqueteiro de Dilma e do ex-presidente Dilma, municiem a tese de que dinheiro do chamado ‘petrolão’ serviu para pagar despesas da campanha petista.

‘O pensamento das oposições e este: de pedir que as provas que ainda não foram enviadas ao TSE sejam remetidas agora’, diz o presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN).

 

Na ação, a presidente é acusada de ter se reelegido com abuso de poder político e econômico.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

É o que pensa também  do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR): ‘Está claro que o esquema de propina do petrolão abasteceu a campanha. Nem o guru da mentira do PT escapou da Lava Jato’.

Além disso, líderes de oposição na Casa vão se reunir nesta terça-feira, 23, para discutir os últimos acontecimentos e definir como será a mobilização para as manifestações de 13 de março contra a presidente Dilma.

 

Contrário as declarações do líder do DEM, o vice-líder do governo na Câmara, Silvio Costa (PTdoB-PE), disse que a tentativa da oposição de reacender o debate sobre impeachment é mais ‘espuma’ e defendeu a presidente desafiando qualquer pessoa a encontrar um telefonema de Dilma pedindo dinheiro para a campanha.

‘A presidente não cuidava das finanças da campanha. Todo comitê eleitoral tem seu tesoureiro’, disse.

Lava Jato impulsiona a Bolsa

A nova fase da Operação Lava Jato, que atingiu João Santana tambêm ajudou a impulsionar as ações.

No primeiro dia semana, o Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, fechou nesta segunda-feira, 22, com valorização.

Desde o início do pregão, o índice caminhou em terreno positivo, impulsionado por um grande movimento de compra, com base em notícias externas favoráveis, principalmente vindas da China, e em valorizações dos preços de commodities.

 

Prisão de Santana repercute no Senado

 

A 23º fase da Operação Lava Jato repercutiu durante o dia no Congresso Nacional onde a oposição comparou Santana a Duda Mendonça, responsável pela campanha da primeira eleição de Lula, em 2002. O líder da oposição no Senado, José Agripino (DEM-RN), disse que o pedido de prisão do publicitário evidencia uma prática que se tornou ‘recorrente nas campanhas eleitorais do PT’.

 

Para o líder do PSDB no Senado, Céssio Cunha Lima, o pedido de prisão de Santana comprova que houve prática de crime eleitoral, já que, segundo ele, ninguém pede uma prisão sem ter elementos para justificá-la.

 

OAB diz que Delcídio não tem condições morais de reassumir cargo

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Claúdio Lamachia, disse que o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) não tem ‘condições morais’ para reassumir seu cargo no Congresso. Ele acredita que impedir que o senador investigado continue no Senado seria bom para as apurações do esquema de corrupção na Petrobras.

 

‘O senador Delcídio deve ter acesso á ampla defesa e ao devido processo legal nas ações que pesam contra ele, mas não tem condições morais de ocupar uma vaga no Senado. Afastá-lo do

Desagravo ao ex-presidente

O programa de televisõo do PT que ser exibido em cadeia nacional nesta terça-feira, 23, dever despertar panelaços pelo País, porque fará um desagravo ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No vídeo de cerca de 10 minutos, o partido afirma que setores da sociedade e da oposição estão desrespeitando as regras e atacando e caluniando o petista. A presidente Dilma Rousseff não aparece no vídeo.

 

‘Agora, atacam e caluniam o presidente Lula. Desrespeitam todas as regras para chegar ao poder a qualquer custo’, afirma o partido.

No vídeo, o PT também questiona ‘por que tanto ódio’ contra o partido. ‘Erros se corrigem, dificuldades passam, o povo sabe disso’, diz. A legenda afirma que mundo tem o direito de defender suas ideias, mas que tem horas que é preciso ser ‘maior que nós mesmos’. ‘A hora não  de defender as bandeiras que separaram,  de reunir foras para fortalecer o Brasil’, conclama o partido.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes