Alta rentabilidade deve estimular aumento do plantio na safra 2018/19

Rentabilidade e bons preços devem estimular agricultores a ampliarem a área na nova safra, que está em fase de plantio.

A elevada rentabilidade de culturas como soja, milho e algodão neste ano e os bons preços sinalizados para o ciclo 2018/2019 devem estimular os agricultores a ampliar a área cultivada na nova safra, que está em fase de plantio. Na última quinta-feira (11), a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) projetou aumento de 2,3% na área de grãos brasileira, que poderá chegar a 63 milhões de hectares.

Esse incremento foi puxado pelo algodão, cuja área cultivada deve bater o recorde e ficar em 1,4 milhão de hectares, com avanço máximo de 20,4%. Para milho, a perspectiva é de um aumento de até 3,8% no verão, para um máximo de 5,2 milhões de hectares. Na soja, a estatal projeta elevação de até 2,9%, para até 36,1 milhões de toneladas. Em todas as culturas, a boa rentabilidade alcançada nos últimos meses – e que deve se repetir no novo ciclo – foi o principal motivo para o aumento da área.

“A safra 2017/2018 teve ótimos preços, que ajudaram na comercialização. Somado a isso, temos prêmios elevados e o câmbio a favor dos produtores’, salienta, citando a soja como exemplo. “Os preços da oleaginosa disponível, por exemplo, chegaram a R$ 100 a saca de 60 quilos nas últimas semanas no porto de Paranaguá (PR), enquanto a venda da safra atual, fechada em setembro para entrega em fevereiro, chegou a R$ 90 a saca”, destaca o analista de mercado da AgRural, Adriano Gomes. Para o milho, os negócios da nova temporada fechados em setembro (para entrega em fevereiro) foram feitos na faixa de R$ 354 a saca de 60 quilos no Rio Grande do Sul. Já o produto no mercado disponível chegou a R$ 43 a saca e está em R$ 38 atualmente. “São valores que garantem boa rentabilidade ao agricultor”, diz.

A guerra comercial entre China e Estados Unidos é outro fator que favorece a demanda pelos grãos brasileiros, segundo o analista. Desde que os chineses impuseram uma taxa de 25%, em abril deste ano, sobre a importação dos grãos norte-americanos, os produtos brasileiros passaram a ser uma opção mais atrativa para os chineses.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

SafraSafra positiva

Diante desse cenário, a perspectiva da Conab é de que a produção total de grãos brasileira cresça entre 2,5% e 4,7% na temporada 2018/2019, para um máximo de 238,5 milhões de toneladas, próximo do recorde de 238,8 milhões de toneladas em 2016/2017. “Acredito que temos um grande potencial para bater esse recorde”, diz o assessor técnico da Comissão Nacional de Grãos, Cereais, Fibras e Oleaginosas da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Alan Malinski. Segundo ele, o plantio da soja e do milho está adiantado em estados como Mato Grosso, Paraná e Goiás, o que indica que a safra será cultivada no período considerado ideal.

Com esse início de temporada promissor, esperamos que a safrinha também tenha aumento de área, sem atrasos. A previsão de El Niño, embora traga alerta para o Sul e para os estados do Matopiba, deve contribuir para uma safra excelente no Centro-Oeste. Ainda assim, a Conab fez uma projeção conservadora para a soja. A estatal prevê produção máxima de 119,4 milhões de toneladas, quase estável ante os 119,2 milhões de toneladas colhidas no ciclo recorde 2017/18. A CNA estima alta de até 4% na área e produção recorde de 122 milhões de toneladas da oleaginosa. A AgRural aposta em 35,8 milhões de hectares, alta de 1,9% sobre a safra passada e em 120,3 milhões de toneladas.

Na avaliação da Conab, os maiores destaques da nova safra serão o milho e o algodão. Para o grão, a previsão é de alta entre 11,1% e 12,7% na produção, para um máximo de 91 milhões de toneladas. Para a pluma, o volume estimado é recorde de até 2,3 milhões de toneladas, alta de 15,7% ante a safra anterior. O bom desempenho das cotações tanto no mercado interno quanto no externo estimulou os produtores a investirem fortemente na lavoura , diz a estatal em relatório. O preço médio para a fibra aumentou 29,7%. A companhia ainda estima exportações de 1,33 milhão de toneladas da pluma em 2018/2019, ante um milhão de toneladas de 2017/18. Para o milho, a perspectiva é de embarque recorde de 31 milhões de toneladas, ante 25 milhões de toneladas na safra anterior. Na soja, as exportações devem ficar em 75 milhões de toneladas neste ciclo, um milhão a menos do que safra passada.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes