Empresas de drones apostam no agronegócio para ampliar vendas

Cresce a oferta de drones e softwares voltados para o campo no Brasil, incluindo de gigantes como a CNH Industrial, dona das marcas New Holland e Case.

Mais de um terço das empresas que trabalham com drones está voltada para o agronegócio no Brasil, segundo fontes do setor. Para garantir uma fatia nesse filão, startups e grandes companhias investem na diversificação do uso dos equipamentos no campo e prometem ganhos de produtividade que podem chegar a 15%. No mundo, o agronegócio responde por 25% do faturamento do setor. “No Brasil, o segmento responde por mais de 40%”, estima o coordenador da DroneShow, Emerson Granemann. A mostra ocorre a partir de hoje em São Paulo e deve movimentar até R$ 50 milhões. “O setor faturou R$ 300 milhões no ano passado e deve crescer 30% neste ano”, estima Granemann.

As aplicações no campo de veículos aéreos não tripulados (vants) – como são chamados os drones com fins comerciais e uma carga útil embarcada além da necessária para o voo – são diversas. Vão desde a identificação de doenças à pulverização de lavouras, além de contagem e vistoria de rebanhos. Criada por três engenheiros graduados pelo Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), a Eleva aposta na pulverização e em um drone de grande porte para se diferenciar no mercado.

A startup apresentou ao mercado na Feira Internacional de Tecnologia em Campo (Agrishow), no começo deste mês, o Eleva Spray 150. O protótipo é capaz de pulverizar 20 hectares por hora, carregar 75 quilos do insumo e possui cinco metros de largura. “Identificamos uma oportunidade de atender especialmente a culturas como café, horticultura e fruticultura”, destaca o diretor-executivo e um dos fundadores da Eleva, Luciano Castro. Existe uma deficiência operacional nesse tipo de atividade, uma vez que tratores podem causar danos às lavouras e a aviação agrícola é cara , salienta. O drone da Eleva deve chegar ao mercado em 2019 a um valor estimado de R$ 400 mil. A Positivo Tecnologia é dona de 40% da startup, que também busca outros investidores para tirar o protótipo do papel.

Grandes empresas, como a CNH Industrial, dona das marcas New Holland e Case, também apostam no uso dos equipamentos no campo. A partir de julho, o grupo oferecerá aos clientes a possibilidade de pagar pelo uso do drone de acordo com o número de hectares mapeados para que as informações captadas sejam processadas e repassadas ao agricultor. Os drones serão fornecidos por uma empresa parceira às concessionárias. “O drone é uma ferramenta que permite um melhor desempenho das máquinas no campo, seja para um melhor nivelamento ou direcionamento de piloto automático”, afirma o especialista em marketing de produto da New Holland, Marco Milan.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

AgronegócioMudança de foco: drones no campo

Empresas e startups de drones que atuam em outras áreas passaram a apostar no campo para ampliar negócios. O Grupo Bembras, que presta serviços em áreas como segurança pública, criou a Bembras Agro, para atuar no setor. “Hoje, 60% do nosso faturamento vem do agronegócio”, afirma o co-fundador e diretor operacional da Bembras Agro, Johann Coelho. Em seis meses de operação, a empresa faturou R$ 1 milhão e deve fechar o ano com R$ 4 milhões em negócios. “Já no primeiro ano, vamos pagar o investimento, que foi de R$ 1,5 milhão, e utilizar esse capital para investir na empresa”. A Bembras Agro oferece soluções em mapeamento de áreas, pulverização e apoio no direcionamento de maquinário. Os equipamentos custam entre R$ 7 mil e R$ 300 mil, conforme a tecnologia embarcada nos drones. “O produtor busca essa solução pela redução de custos, aumento de produtividade e pela precisão que o uso de drones permite no campo”, avalia o diretor. Ele salienta que não penas produtores, mas também prestadores de serviços no campo, como agrônomos e consultores, têm investido em drones como ferramenta. “Isso permite que a tecnologia chegue também aos pequenos e médios produtores”, observa.

A empresa de tecnologia Storm Group criou recentemente um grupo focado em agronegócio. “O setor tem sido pouco afetado pela crise e tem um grande interesse em uma análise de dados qualificada”, esclarece o diretor de sistemas embarcados da empresa, Marcos Soares. “É um mercado que ainda vai crescer muito”, complementa o empresário. A empresa atua no ramo de drones há cinco anos, além do desenvolvimento de softwares, e trabalha em soluções para alcançar também o público agropecuário. “Queremos desenvolver o uso para contagem de animais, por exemplo”, diz. O equipamento custa entre R$ 15 mil e R$ 150 mil.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes