Espaço: lançamento de satélite chinês mobiliza setor aeroespacial

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS – O lançamento do satélite sino-brasileiro de sensoriamento remoto Cbers-3, no próximo dia 10 de dezembro, em Taiwan, na China, reacendeu o interesse das empresas do

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS O lançamento do satélite sino-brasileiro de sensoriamento remoto Cbers-3, no próximo dia 10 de dezembro, em Taiwan, na China, reacendeu o interesse das empresas do polo aeroespacial de São José dos Campos sobre novas possibilidades dentro deste mercado. O parque tecnológico do município abriga atualmente diversas empresas voltadas para atuarem nesse setor, inclusive a Embraer Defesa e Segurança tem possibilidade de atender demandas no segmento de satélites para o espaço. A direção a Agência Espacial Brasileira (AEB) confirmou o lançamento para o dia 10, havendo inclusive a possibilidade de ministros, e até mesmo a presidente Dilma Rousseff, acompanharem pessoalmente o evento. Porém isso ainda segue indefinido.

Leia também

Lotofácil, Quina e Lotomania: resultados das Loterias da…

BBB21: veja fotos do apartamento onde Sarah morou em Los…

O presidente da AEB, José Raymundo Coelho, se encontra na Agência Espacial da China tratando dos últimos detalhes do lançamento e da possibilidade de acordos futuros, como a parceria para novos satélites de sensoriamento remoto. Ele retorna ao país ainda nesta semana. O projeto, segundo o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp, prevê lançar pelo menos 4 novos satélites ao espaço na próxima década, incluindo os de uso científico e de comunicação. Mas isso pode ser ampliado com o acordo com a China e até mesmo com os russos, que estão cada vez mais próximos do programa espacial brasileiro.

O programa federal Aerodefesa será um propulsor disto. Ele contém quatro linhas de financiamento a atividades de pesquisa. A subvenção econômica que partirá da parceria do programa denominado Instituições Científicas e Tecnológicas (ICT), entrará com R$ 41 milhões em investimentos. A Finep será responsável por aplicar R$ 2,4 bilhões e o BNDES mais R$ 500 milhões. O Ministério da Defesa e a Agência Espacial Brasileira (AEB) farão aquisições estratégicas das empresas contempladas neste processo. A taxa de juros será subsidiada, variando entre 2,5% a 5% ao ano, com carência entre quatro e 12 anos para quitação do empréstimo. O valor mínimo do empréstimo será de R$ 1 milhão.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes