Exportações do País crescem 23% aos 5 principais importadores

Os cinco principais países importadores do Brasil participam de metade (49%) do total das nossas exportações.

Os cinco principais países importadores do Brasil participam de metade (49%) do total das nossas exportações. Em 2017, as vendas externas nacionais cresceram para todas essas nações, exceto para os Países Baixos (Holanda). No entanto, somando o valor exportado para a China, Estados Unidos, Argentina, Holanda e Japão, observa-se uma expansão de 23,2% nos embarques durante o ano passado, em relação a 2016, para US$ 106,5 bilhões, mostram dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic). Segundo especialistas, a tendência é que essas vendas continuem em expansão, mas em um ritmo menor, já que, com a recuperação da economia brasileira, uma parcela maior da produção nacional será direcionada para o mercado interno. “O percentual de crescimento das exportações irá depender da velocidade do crescimento do Brasil”, considera o coordenador do curso de economia FAAP Paulo Dutra.

Segundo principal parceiro comercial do País, os EUA elevaram em 16% as suas compras no ano passado, a US$ 26,8 bilhões. Os produtos mais importados foram os óleos brutos de petróleo (+136,3%, a US$ 2,7 bilhões) e semimanufaturados de ferro e aço (+45%, a US$ 1,8 bilhão). Dutra analisa que os obstáculos protecionistas que o presidente dos Estados Unidos Donald Trump tem colocado ao comércio com a China, Alemanha e México podem abrir oportunidades para os produtos industrializados do Brasil. Em 2017, houve alta nas vendas de manufaturados (+27,3%, para US$ 5 bilhões), semimanufaturados (+6,6, para US$ 15 bilhões) e industrializados (+11,1%, para US$ 20 bilhões) para o país parceiro.

Sobre a política de Trump, o professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Carlos, Augusto Poggio, afirma que o presidente tem dado prioridade aos países que têm déficit comercial com os Estados Unidos, o que foi o caso do Brasil durante oito anos (2009-2016). Em 2017, contudo, o País ficou superavitário em US$ 2 bilhões com os EUA. Para Dutra, a tendência é que nossas vendas aos norte-americanos continuem em alta, tendo em vista o aquecimento da economia deles. O Fundo Monetário Internacional (FMI) projeta alta de 2,7% no Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA.

Exportações para a ÁsiaExportações para a Ásia

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A perspectiva também é de expansão nas vendas à China e ao Japão, cuja maior parte são de commodities agrícolas e minerais. Segundo Dutra, se os juros dos EUA não tiverem grande aumento, a tendência é que os preços das commodities continuem estáveis ou tenham um leve acréscimo. Sobre a economia japonesa, Dutra pontua que esta tem apresentado um crescimento acima do esperado. No final de 2017, o governo japonês elevou de 1,5% a 1,9% a projeção de PIB para o ano fiscal de 2017, e aumentou de 1,4% para 1,8%, para 2018. As vendas do Brasil para o Japão se elevaram em 14,3%, para US$ 5,2 bilhões em 2017, com destaque para o minério de ferro (+30,3%, a US$ 1,4 bilhões) e carne de frango (+26%, a US$ 907 milhões).

Já as importações chinesas do Brasil avançaram 35,1% em 2017, para US$ 47,5 bilhões. Os principais produtos comprados do nosso país foram a soja (+41,2%, para US$ 20,3 bilhões), minério de ferro (+42%, para US$ 10,4 bilhões e óleos brutos de petróleo (+88%, para US$ 7,4 bilhões). Tendo em vista que o principal parceiro comercial do Brasil deve continuar crescendo a uma taxa de 6%, as expectativas é que as exportações nacionais para lá se mantenham aquecidas. O Banco Mundial projeta aumento de 6,8% para o PIB chinês neste ano, após alta de 6,9% no ano passado Sobre o Japão e a Holanda, Poggio ressalta ainda que o comércio brasileiro com esses países ainda é muito tímido em decorrência da falta de acordos comerciais. “A dinâmica do nosso comércio exterior é muito pautada na conjuntura. Não há um esforço considerável em celebrar novos acordos”, afirma Poggio.

Dados do Mdic mostram que as exportações nacionais para os Países Baixos chegaram a cair no ano passado (-10,3%, a US$ 9,2 bilhões). Os produtos mais comprados pela Holanda foram tubos de aço (-13,8%, a US$ 1 bilhão) e soja (-0,86%, a US$ 1 bilhão. Para Dutra, essa retração ainda reflete a lenta retomada das economias da zona do euro. Já o terceiro principal importador do Brasil, a Argentina, aumentou em 31,3% as suas compras, para US$ 17,6 bilhões, com destaque para automóveis de passageiros (+42%, para US$ 4,7 bilhões) e veículos de carga (53%, a US$ 1,8 bilhões). Segundo Dutra, se as reformas do presidente argentino Mauricio Macri tiverem êxito, o potencial de crescimento econômico do país tende a aumentar, o que deve beneficiar as nossas exportações ao país vizinho.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes