Infestação de dengue avança em Ribeirã

Ribeirão Preto – A dengue está ainda mais presente em Ribeirão Preto, cidade do interior paulista localizada a 313 quilômetros da capital. O índice Breteau, que mede a infestação com larvas do mosquito Aedes aegypti, transmissor da moléstia, aumentou de 1,7 em outubro do ano passado para 1,9 no mesmo mês deste ano, de acordo com a Divisão de Controle de Vetores do município. O índice é calculado de acordo com a quantidade de focos do mosquito Aedes aegypti encontrados a cada cem domicílios vistoriados. A proporção do índice indica que, de cada 1 mil imóveis na cidade, pelo menos 19 apresentaram focos de infestação pelo mosquito. De acordo com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e a Organização Mundial da Saúde (OMS), um índice de infestação acima de um representa risco à saúde pública.De acordo com a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, Maria Luiza da Silveira Santa Maria, no segundo semestre deste ano foi feita a vistoria em 183 mil imóveis e encontrados 1.281 focos de dengue. Apesar disso, a cidade registrou, de janeiro a outubro, 19.243 casos de dengue. No mesmo período do ano passado, eram 29.343 casos. Ainda assim, a epidemia de dengue causou, em 2011, efeitos mais nocivos à população: só neste ano, 12 pessoas morreram pela doença. No ano passado foram nove. Considerando 259 casos graves registrados em 2010, o índice de letalidade da doença fechou o ano em 3,5%. Já em 2011, o índice atinge 6,2%, com 193 casos graves registrados.RegiõesO índice pode auxiliar no julgamento sobre quais regiões devem ter ações intensificadas. Em Ribeirão Preto, a zona oeste é a mais afetada pela dengue. Foram registrados 5.356 casos na região, o que representa 27,8%. Em seguida está a zona norte, com 4.500, e zona leste, com 4.107 casos.Segundo a chefe da Vigilância Epidemiológica, Ana Alice de Castro e Silva, os casos de dengue devem aumentar a partir deste mês, com a chegada das chuvas e, de acordo com o secretário da Saúde, Stênio Miranda, porém, é essencial que a população entre definitivamente na guerra e ajude as autoridades a combater o problema. “Sabemos que, por mais que atuemos na prevenção, a colaboração dos moradores é essencial para que o problema seja resolvido. O clima de Ribeirão, muito quente, é perfeito para o mosquito e, se não houver conscientização, todo o trabalho – que não é pequeno – feita pela prefeitura não serve de muita coisa. É como enxugar gelo, mas com consequências infinitamente mais perigosas”, informa.MedoA situação torna-se ainda mais complicada porque Ribeirão Preto tem a circulação dos três tipos de vírus da dengue registrados no Brasil e há indícios que o quarto tipo também já circule pela região. Com isso, a possibilidade da presença de dengue hemorrágica, forma mais severa da doença onde um percentual maior dos casos terminam em óbito, torna-se mais provável. Comum a toda a cidade, porém, é o sentimento de medo que toma conta das pessoas. O empresário Bruno Assunção, 34, é um dos que tem medo da situação. Ele já teve a doença em 2009 e, se voltar a ser picado por um mosquito que tenha que contenha o mesmo tipo da doença, ela pode desenvolver a dengue hemorrágica, forma mais severa da doença. “Sofri muito com a doença, passei uma semana sem nem sequer conseguir levantar da cama. Perdi quase dez quilos. Fico imaginando o que aconteceria se eu pegasse a hemorrágica. Nem gosto de imaginar”, comentou ele, que mora no bairro Sumarezinho, na zona oeste da cidade.Problema históricoNo ano passado, em todo o Estado de São Paulo houve 187.707 casos de dengue, 138 deles com mortes, de acordo com a Secretaria de Estado da Saúde. Em 2010, Ribeirão Preto foi a cidade paulista que registrou o maior número de doentes. Foram quase 30 mil, sendo que nove desses pacientes morreram. Trata-se da maior quantidade de casos da história da cidade, que respondeu, sozinha, por quase 15% do total de casos da doença no estado.Essa não é, entretanto, a primeira grande epidemia de dengue registrada na cidade. Desde a década de 1990, a dengue é um problema que atormenta a saúde pública de Ribeirão. A primeira epidemia aconteceu justamente em 1990, quando foram registrados quase 9 mil casos. A segunda foi em 2001, com 3.190 casos. Em 2006, a situação foi mais grave, houve três mortes e quase 6 mil casos de dengue.De acordo com a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde do município, Maria Luiza Santa Maria, o combate ao mosquito transmissor da doença, o Aedes aegypti, foi intensificado nos últimos meses. “Os agentes em saúde vão quinzenalmente a 578 pontos estratégicos espalhados na cidade, como borracharias e casas abandonadas”, diz. Nas visitas, os funcionários aplicam larvicida em ralos e calhas e retiram possíveis criadouros, como pneus, pratos de vasos e garrafas. Os moradores também recebem orientações sobre como evitar o surgimento de novos focos da dengue. Em regiões onde houve casos positivos da doença, os agentes aplicam pra

Ribeirão Preto – A dengue está ainda mais presente em Ribeirão Preto, cidade do interior paulista localizada a 313 quilômetros da capital. O índice Breteau, que mede a infestação com larvas do mosquito Aedes aegypti, transmissor da moléstia, aumentou de 1,7 em outubro do ano passado para 1,9 no mesmo mês deste ano, de acordo com a Divisão de Controle de Vetores do município.

O índice é calculado de acordo com a quantidade de focos do mosquito Aedes aegypti encontrados a cada cem domicílios vistoriados. A proporção do índice indica que, de cada 1 mil imóveis na cidade, pelo menos 19 apresentaram focos de infestação pelo mosquito. De acordo com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e a Organização Mundial da Saúde (OMS), um índice de infestação acima de um representa risco à saúde pública.

De acordo com a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, Maria Luiza da Silveira Santa Maria, no segundo semestre deste ano foi feita a vistoria em 183 mil imóveis e encontrados 1.281 focos de dengue. Apesar disso, a cidade registrou, de janeiro a outubro, 19.243 casos de dengue. No mesmo período do ano passado, eram 29.343 casos.

Ainda assim, a epidemia de dengue causou, em 2011, efeitos mais nocivos à população: só neste ano, 12 pessoas morreram pela doença. No ano passado foram nove. Considerando 259 casos graves registrados em 2010, o índice de letalidade da doença fechou o ano em 3,5%. Já em 2011, o índice atinge 6,2%, com 193 casos graves registrados.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Regiões

O índice pode auxiliar no julgamento sobre quais regiões devem ter ações intensificadas. Em Ribeirão Preto, a zona oeste é a mais afetada pela dengue. Foram registrados 5.356 casos na região, o que representa 27,8%. Em seguida está a zona norte, com 4.500, e zona leste, com 4.107 casos.

Segundo a chefe da Vigilância Epidemiológica, Ana Alice de Castro e Silva, os casos de dengue devem aumentar a partir deste mês, com a chegada das chuvas e, de acordo com o secretário da Saúde, Stênio Miranda, porém, é essencial que a população entre definitivamente na guerra e ajude as autoridades a combater o problema. “Sabemos que, por mais que atuemos na prevenção, a colaboração dos moradores é essencial para que o problema seja resolvido. O clima de Ribeirão, muito quente, é perfeito para o mosquito e, se não houver conscientização, todo o trabalho – que não é pequeno – feita pela prefeitura não serve de muita coisa. É como enxugar gelo, mas com consequências infinitamente mais perigosas”, informa.

Medo

A situação torna-se ainda mais complicada porque Ribeirão Preto tem a circulação dos três tipos de vírus da dengue registrados no Brasil e há indícios que o quarto tipo também já circule pela região. Com isso, a possibilidade da presença de dengue hemorrágica, forma mais severa da doença onde um percentual maior dos casos terminam em óbito, torna-se mais provável.

Comum a toda a cidade, porém, é o sentimento de medo que toma conta das pessoas. O empresário Bruno Assunção, 34, é um dos que tem medo da situação. Ele já teve a doença em 2009 e, se voltar a ser picado por um mosquito que tenha que contenha o mesmo tipo da doença, ela pode desenvolver a dengue hemorrágica, forma mais severa da doença. “Sofri muito com a doença, passei uma semana sem nem sequer conseguir levantar da cama. Perdi quase dez quilos. Fico imaginando o que aconteceria se eu pegasse a hemorrágica. Nem gosto de imaginar”, comentou ele, que mora no bairro Sumarezinho, na zona oeste da cidade.

Problema histórico

No ano passado, em todo o Estado de São Paulo houve 187.707 casos de dengue, 138 deles com mortes, de acordo com a Secretaria de Estado da Saúde. Em 2010, Ribeirão Preto foi a cidade paulista que registrou o maior número de doentes. Foram quase 30 mil, sendo que nove desses pacientes morreram. Trata-se da maior quantidade de casos da história da cidade, que respondeu, sozinha, por quase 15% do total de casos da doença no estado.

Essa não é, entretanto, a primeira grande epidemia de dengue registrada na cidade. Desde a década de 1990, a dengue é um problema que atormenta a saúde pública de Ribeirão. A primeira epidemia aconteceu justamente em 1990, quando foram registrados quase 9 mil casos. A segunda foi em 2001, com 3.190 casos. Em 2006, a situação foi mais grave, houve três mortes e quase 6 mil casos de dengue.

De acordo com a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde do município, Maria Luiza Santa Maria, o combate ao mosquito transmissor da doença, o Aedes aegypti, foi intensificado nos últimos meses. “Os agentes em saúde vão quinzenalmente a 578 pontos estratégicos espalhados na cidade, como borracharias e casas abandonadas”, diz. Nas visitas, os funcionários aplicam larvicida em ralos e calhas e retiram possíveis criadouros, como pneus, pratos de vasos e garrafas. Os moradores também recebem orientações sobre como evitar o surgimento de novos focos da dengue. Em regiões onde houve casos positivos da doença, os agentes aplicam praguicidas nas casas.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes