Investir na Tesla: saiba o que considerar e como comprar

Ações foram destaque nos últimos dias graças a um ano com recorde de produção

Uma das formas de adquirir os papéis é através de BDRs. Outra é comprando diretamente em uma corretora fora do país.

Nos últimos dias, o valor da Tesla, montadora de carros elétricos, chegou a mais de US$ 800 bilhões pela primeira vez devido a uma alta de quase 8% em suas ações. Isso levou seu CEO, Elon Musk, ao posto de homem mais rico do mundo. Mas será que o mercado tem mesmo avaliado tão positivamente a montadora? O que considerar e, se for o caso, como investir na Tesla (TSLA34)? 

Primeiramente, vamos reforçar que a Tesla é uma empresa automotiva e de armazenamento de energia. Ela desenvolve carros elétricos de alto desempenho e foi fundada em 2003. Tem capital aberto e suas ações estão em negociação na NASDAQ.

Em 2020, o ano não foi fácil para o setor automotivo. No caso da Tesla, houve queda de 15% nas vendas do primeiro semestre em comparação com o mesmo período em 2019. Ainda assim, a montadora conseguiu produzir 509.737 unidades e quebrou um recorde importante: entregou 180.570 unidades apenas no último trimestre do ano. Desse modo, será que vale a pena investir na Tesla? Quem acreditou que sim viu as ações valorizarem 743% no último ano. Elas também foram incluídas em dezembro no S&P 500, índice com 500 ativos cotados nas bolsas americanas Nasdaq e NYSE.

 

O que o mercado diz para quem quer investir na Tesla

 

Quem pensa em investir nas ações da montadora deve entender o cenário e os porquês do mercado com relação à empresa. Um dos pontos positivos que costumam ser apontados é o negócio ter foco em energia renovável e a Tesla ser notadamente uma empresa inovadora no setor automotivo. Além disso, a empresa conseguiu bons resultados em suas metas de produção, lidando bem com os problemas relacionados que costumava ter constantemente nas fábricas.

Outro ponto para quem pensa em investir na Tesla é a presença constante de Elon Musk como representante da montadora. O fato do visionário estar sempre presente e conectado à marca traz certa segurança aos investidores, que estão vendo nitidamente quem está por trás da empresa. Neste caso, trata-se de alguém bastante inovador, que viabilizou projetos super tecnológicos. Dentre as empresas que criou ou dirigiu estão, por exemplo, SpaceX e Neuralink.

Mas apesar dos pontos considerados positivos pelo mercado, quem pensa em investir na Tesla também deve considerar que existem incógnitas relacionadas ao futuro da empresa. O projeto visionário vai depender de uma série de pontos que não têm garantia. Normalmente, o preço mais alto das ações só se justificaria olhando os papéis da Tesla dentro de um cenário de inovação, e não apenas como uma empresa automotiva.

Investir na tesla
Imagem: reprodução/ unsplash

Como comprar os papéis?

 

Neste cenário, se você se animou para investir na Tesla e mora no Brasil, saiba que uma das opções é comprar BDRs (TSLA34). Os Brazilian Depositary Receipts são certificados emitidos por aqui que representam ações de fora. Antes a compra só era permitida para investidores qualificados, com mais de R$ 1 milhão para aplicar. Uma nova regra, porém, passou a permitir a compra a qualquer investidor. Outra opção é abrir uma conta diretamente em uma corretora no exterior. 

Você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.