Por que a Magalu abriu vagas só para pessoas negras? Entenda a razão

Um processo seletivo da Magazine Luiza vem gerando repercussões positivas e negativas. O caso é que a varejista anunciou um programa de trainee exclusivo para pessoas negras, visando aumentar o número delas em posições de liderança.

Um processo seletivo da Magazine Luiza, a Magalu, vem gerando repercussões positivas e negativas. O caso é que a varejista anunciou um processo seletivo para trainee exclusivo para pessoas negras, visando aumentar o número delas em posições de liderança.

Trainee é um programa de treinamento oferecido por empresas, é voltado à pessoas recém-formadas.

Processo seletivo da Magalu gera polêmica

Cinquenta e três por cento dos funcionários da Magalu são pretos e pardos. No entanto, eles são só 16% nos cargos de liderança. Nesse sentido o programa será integrado por pessoas negras formadas no ensino superior entre 2017 e 2020, falar inglês e experiência anterior não são pré-requisitos. O comunicado sobre o processo seletivo é do dia 18 de setembro.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O programa de trainees 2021 foi desenvolvido em parceria com as consultorias Indique Uma Preta e Goldenberg, Instituto Identidades do Brasil (ID_BR), Faculdade Zumbi dos Palmares e Comitê de Igualdade Racial do Mulheres do Brasil. “Esses parceiros ajudaram a equipe do Magalu a fazer ajustes finos no processo, para que ele não tivesse barreiras para a seleção e desenvolvimento profissional” diz comunicado da companhia.

No dia seguinte ao anuncio do programa, conforme matéria da Folha de São Paulo, a juíza do Ana Luiza Fischer Teixeira de Souza Mendonça afirmou em sua conta no Twitter que “discriminação na contratação em razão da cor da pele: inadmissível” se referindo ao anuncio da varejista. Em um comentário disse “na minha Constituição, isso ainda é proibido”. Na tarde do mesmo dia, 19, a juíza apagou o tuíte. Na rede social, há usuários acusando a Magazine Luiza de praticar “racismo reverso”.

Trainee para negros segue lógica de ações afirmativas

Luiz Augusto Campos, professor de Sociologia e Ciência Política no Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP-UERJ), diz que o trainee para negros não tem nada de inconstitucional. Isso por que ele segue o mesmo princípio de ações afirmativas, como é o caso de cotas em vestibulares de universidades por exemplo.

Sendo assim, a lógica de medidas como essa é “compensar a discriminação que determinado grupo sofre na sociedade como um todo, concedendo determinados benefícios a mais para aquele grupo” explica Campos. Ele, que também é vice coordenador do Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (GEMAA), conta que essas práticas são razoavelmente comuns no país.

A saber, o Estatuto da Igualdade Racial, lei nº 12.288 de 2010, incentiva esse tipo de ação. As quais visam a igualdade de oportunidades para negros no mercado de trabalho:

“Art. 39. O poder público promoverá ações que assegurem a igualdade de oportunidades no mercado de trabalho para a população negra, inclusive mediante a implementação de medidas visando à promoção da igualdade nas contratações do setor público e o incentivo à adoção de medidas similares nas empresas e organizações privadas.”

Mulher trabalhando Magalu trainee para negros
Fonte: @wocintechchat.com / Unsplash

Profissionais negros são minoria em cargos de liderança

Como dito, apesar da maioria dos funcionários da Magazine Luiza serem negros, eles são poucos nos cargos de liderança. Isso não é uma exclusividade da companhia. Conforme levantamento da Quero Bolsa, plataforma de bolsa de estudos em faculdades, em 2019 no estado de São Paulo somente 3,68% dos profissionais contratados para cargos em liderança pardos ou pretos. Foi usada base de dados do Cadastro Geral de Empregado e Desempregados (Caged) referentes à São Paulo.

Campos explica que pessoas negras têm maiores dificuldades de acessar espaços de prestígio social e que isso tem como causa as discriminações sistêmicas presentes no cotidiano. Desse modo, processos seletivos com prioridade para candidatos negros visam combater os efeitos desse racismo.

Bayer abre vagas exclusivas para candidatos negros

Ademais, a empresa química e farmacêutica Bayer também anunciou trainee exclusivo para candidatos negros. “Liderança Negra Bayer é o nosso Programa de Trainee voltado para a inclusão de profissionais negras e negros, pois acreditamos que ser líder é desenvolver, engajar e inspirar pessoas” diz a empresa.

Informar Erro

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes