Privatização do SUS? Entenda o decreto de Bolsonaro

Assunto sobre privatização do SUS é polêmico; especialistas alertam que as Unidades Básicas de Saúde são a porta de entrada para o sistema público

O presidente Jair Bolsonaro publicou ontem decreto que virou polêmica na internet, afinal muita gente chamou de ‘privatização do SUS‘. Isso porque Bolsonaro autorizou estudos para avaliar se há a chance de ceder à iniciativa privada Unidades Básicas de Saúde (UBSs).

O que é a privatização do SUS?

O decreto nº 10.530 feito pelo presidente Bolsonaro conta com apenas dois artigos e trata sobre estudos “de parcerias com a iniciativa privada para a construção, a modernização e a operação de unidades básicas de saúde”.

Tais estudos fariam parte do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), como é chamado o projeto de concessões e privatizações do governo federal.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Em nota, o Ministério da Economia disse que a ideia é “encontrar soluções para a quantidade significativa de unidades básicas de saúde inconclusas ou que não estão em operação no país”.

Ainda assim, não foi divulgado o número de unidades sem operação no Brasil. Ao todo, são 44 mil UBSs pelo país. As unidades são consideradas a porta de entrada do SUS.

O modelo das UBSs foi traçado para conseguir atender até 80% dos problemas de saúde da população que utiliza o serviço público, evitando o encaminhamento para serviços mais caros, como emergências e hospitais.

Saiba mais: História do SUS, uma retrospectiva da saúde pública no país

Muitos especialistas da área da saúde não gostaram da ideia e afirmam que a ação abre espaço para a privatização do SUS. Fernando Pigatto, presidente do Conselho Nacional de Saúde, disse que não aceitará “a arbitrariedade do presidente da República”.

Um fato que chamou a atenção foi justamente o Ministério da Saúde ter sido excluído dos estudos. Afinal, o decreto é assinado por Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, a quem compete a secretaria que cuida das privatizações.

A Secretaria-Geral da Presidência divulgou nota afirmando que “a medida não representa qualquer decisão prévia”. O texto acrescenta que o objetivo primordial “é tão somente permitir que sejam realizados ou contratados estudos multidisciplinares (econômico-financeiros, gerenciais, políticos, jurídicos e sociais) para alimentar o governo de dados e informações sobre a atual situação das UBS”.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes