Serviços fecha março com queda de 4%, diz IBGE

No ano, setor tem perda de 0,8% em volume; no acumulado de 12 meses queda chega a 8%

Depois de crescer em fevereiro e superar, pela primeira vez,  o nível pré-pandemia, o setor de serviços voltou a registrar piora em março e fechou o mês em queda de 4% na comparação com fevereiro, na série com ajuste sazonal, informou, nesta quarta-feira, 12, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  No ano,  o volume de serviços acumula perda de 0,8% comparado a igual período de 2020. O recuo foi o quinto registrado seguidamente. Nos últimos 12 meses, o setor registra queda acumulada de 8%,

Os serviços prestados às famílias puxou fortemente a queda verificada em março ao recuar 27% ante fevereiro. Também contribuíram para o resultado negativo em março o setor de Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correios, com recuo de 1,9%, e do setor de profissionais, administrativos e complementares, que caiu 1,4%.

Na ponta contrária apresentaram crescimento em março os setores de informação e comunicação, com alta de 1,9% em março e acumulada de 2,0% no ano,  e de outros serviços, alta de 3,7, em março e de 7,1% no acumulado de 2021.

Serviços em 2020

Quando comparado há um ano, o setor apresentou alta de 4,5% em março de 2021 frente a igual mês de 2020. O resultado interrompe 12 quedas seguidas nessa base de comparação. Aqui, contribuíram s altas de quatro das cinco atividades pesquisadas pelo IBGE. Os Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio cresceram 8,8% e os serviços de informação e comunicação, com alta de 6,2%, foram os que mais contribuíram para o resultado positivo na comparação anual dos serviços.

Também ajudaram, embora com menor peso, as altas de Outros Serviços, com 7,3%, ao apresentar ganho de receita nos segmentos de recuperação de materiais plásticos, corretoras de títulos e valores mobiliários, administração de bolsas e mercados de balcão organizados, administração de fundos por contrato ou comissão e atividades de apoio à produção florestal e também o setor de profissionais, administrativos e complementares, com 0,7%, registrando receita maior de atividades técnicas relacionadas a arquitetura e engenharia, serviços de engenharia, atividades jurídicas, teleatendimento e locação de automóveis.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes