Simples Nacional parcelamento: saiba com negociar suas dívidas

As empresas que estão inadimplentes com a Receita Federal, devem negociar suas dívidas para não serem penalizadas

As empresas enquadradas no Simples Nacional, podem fazer o parcelamento de dívidas relacionadas ao atraso no recolhimento de impostos ou na entrega de declarações.

Essa situação resulta ainda em cobranças de multas e juros, o que pode dificultar ainda mais a regularização. Além disso, a empresa fica irregular e pode até ser desenquadrada desse regime. Então, veja a seguir como negociar suas dívidas e ficar em dia com a Receita Federal. 

Simples Nacional

Esse regime de tributação foi criado para facilitar a formalização de pequenos empreendimentos, que possuem os seguintes limites de faturamento: 

  • ME: faturamento máximo de R$ 360 mil/ano;
  • EPP: sua receita bruta anual de até R$4,8 milhões

Além disso, a atividade desenvolvida pelo empresário interessado em enquadrar o negócio no Simples Nacional, deve estar entre as atividades permitidas pelo regime. 

Como negociar?

Para as dívidas que estão sob responsabilidade da Receita Federal, a negociação é feita diretamente com o órgão. Diante disso, o pagamento pode ser feito à vista ou parcelado, conforme autorizada a Resolução CGSN nº 140, de 2018.

Nesta modalidade, o empresário tem duas opções: o parcelamento especial que é estabelecido por meio de edital e o parcelamento convencional: pode ser solicitado a qualquer tempo. 

Simples Nacional parcelamento: impostos 

 

Mensalmente, as empresas do Simples Nacional devem fazer o recolhimento dos seguintes impostos:

  • Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI)
  • Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL)
  • Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ)
  • Contribuição para o PIS/Pasep
  • Contribuição Patronal Previdenciária (CPP)
  • Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS)
  • Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins)
  • Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre
  • Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de
  • Comunicação (ICMS).

Esse impostos devem ser pagos através do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS). Desta forma, todos os débitos que são apurados através do Simples Nacional e que estejam em cobrança, inclusive de ICMS e ISS que se referem à tributos estaduais e municipais, respectivamente.

No entanto, não podem ser parceladas as multas por descumprimento de obrigação acessória; além da Contribuição Patronal Previdenciária (CPP), em casos específicos e os impostos que tiverem sido transferidos para a dívida ativa, seja ela, estadual, distrital ou municipal.

Como fazer o parcelamento?

No parcelamento convencional, os débitos podem ser parcelados em até 60 vezes e o valor mínimo de cada parcela é de R$ 300,00. Para fazer a negociação, o contribuinte deve acessar o Portal e-CAC da Receita Federal através de um certificado digital ou código de acesso.

Outra opção, é solicitar o parcelamento através do Portal do Simples Nacional, por meio do código.  Depois disso, basta seguir as orientações que aparecem nas telas seguintes para concluir a negociação.

Para o parcelamento especial é necessário aguardar orientações da Receita Federal, além da abertura de prazo próprio para essa modalidade. 

Simples Nacional parcelamento de dívida ativa 

Muitas pessoas possuem dúvidas sobre o que fazer quando são comunicados de que os valores devidos foram encaminhados para PGFN (Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional) e, por isso, serão inscritos em Dívida Ativa da União.

Vale ressaltar que, neste caso, não é possível fazer o parcelamento convencional ou especial da Receita Federal. Então, a orientação, é solicitar a negociação junto à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional.

Diante disso, o contribuinte deve acessar o portal Regularize da PGFN e procurar pela opção “Negociar Dívida”. Depois, clique em “Acessar ao Sistema de Negociações”. Feito isso, basta seguir as orientações do sistema para concluir o parcelamento. 

Retomada fiscal 

Também está disponível o Programa de Retomada Fiscal, que está oferecendo modalidades de negociação, além de descontos, entrada facilitada e prazo ampliado para o pagamento.

Através desse programa, podem ser negociados os débitos que tenham sido inscritos em Dívida Ativa da União até o dia 31 de agosto. Sendo assim, o programa oferece os seguintes tipos de negociação: 

Transação Excepcional: entrada de 4% 

  • para pessoas físicas; microempresas; empresas de pequeno porte; além de entidades e organizações da sociedade civil: dividida em até 12 vezes e o restante pode ser parcelado em até 133 meses e desconto de até 70% do valor total da dívida;
  • para as demais pessoas jurídicas: o parcelamento é de 72 vezes com desconto de até 50%. 

Transação Extraordinária: entrada de 1% dividida em até três meses

  • pessoas físicas; microempresas e empresas de pequeno porte, além de outras organizações da sociedade civil: o restante pode ser parcelado em até 142 meses;
  • para as demais pessoas jurídicas: o parcelamento do restante é de 81 meses;

Transação Tributária na Dívida Ativa de Pequeno Valor: entrada de 5% dividida em até 5 meses disponível para pessoas físicas; microempresas e empresas de pequeno porte. Para isso, o valor do débito deve ser inferior a 60 salários mínimos. Veja os descontos:

  • 50%;
  • 40%;
  • 30%;

 

Desta forma, o contribuinte deve escolher a modalidades que melhor atende às suas necessidades e fazer a negociação através do portal Regularize. Para isso, clique na opção “Negociar Dívida” e depois, escolha o “Acesso ao Sistema de Negociações”. 

LEIA TAMBÉM: Tributação dos dividendos no Simples Nacional: veja como fica

 

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes