Doria e Covas põem fim a gratuidade do transporte público ao idoso

A decisão divulgada ontem (23) visa retirar a gratuidade nos transportes para pessoas que tem entre 60 e 65 anos no estado de São Paulo.

O governador de São Paulo João Dória (PSDB) e o prefeito da capital Bruno Covas (PSDB) decidiram fim a gratuidade do transporte público ao idoso, pessoas com idade entre 60 e 65 anos. A mudança deve ocorrer a partir do dia 1.º de janeiro. A decisão foi divulgada ontem (23).

Gratuidade no transporte público ao idoso

Pessoas com mais de 65 anos ainda terão o beneficio, assegurado pelo Estatuto do Idoso. Em São Paulo, durante a gestão de Geraldo Alckmin (PSDB) e Fernando Haddad (PT) quem tivesse acima de 60 não precisaria pagar também. Tal medida foi implementada depois dos protestos contra o aumento da tarifa ocorridos naquele ano. Por isso, para retirar esse beneficio, a gestão Covas revogou a lei 15.912. A decisão foi publicada no Diário da União do município ontem mesmo.

No caso do governo do Estado, Doria editou, nesta quarta-feira, no Diário Oficial, um decreto que suspendeu a regulamentação da lei estadual que estabelecia o benefício.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Dória e Covas retiram gratuidade do transporte para idosos
Foto: Agência Brasil

Nota da gestão Dória Covas

Em nota conjunta, a prefeitura e o estado de São Paulo disseram que:

“Para acompanhar o Estatuto do Idoso, será mantida a gratuidade nas passagens dos ônibus municipais e intermunicipais (EMTU), Metrô e CPTM para as pessoas acima de 65 anos de idade. A mudança na gratuidade acompanha a revisão gradual das políticas voltadas a esta população, a exemplo da ampliação da aposentadoria compulsória no serviço público, que passou de 70 para 75 anos, a instituição no Estatuto do Idoso de uma categoria especial de idosos, acima de 80 anos, e a recente Reforma Previdenciária, que além de ampliar o tempo de contribuição fixou idade mínima de 65 anos para aposentadoria para homens e 62 anos para mulheres”, afirma a nota.

O projeto de lei do Orçamento da capital, votado nesta quarta-feira, prevê uma redução de 7,4% nos gastos da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes, de R$ 3,4 bilhões para R$ 3,2 bilhões.

Além disso, outros cortes estão sendo feitos em 2020. Alguns fundos municipais, como os do idoso, de desenvolvimento social e de habitação tiveram redução no orçamento. O fundo municipal do Idoso terá corte de 91% nos recursos em comparação com o de 2020. O orçamento de R$ 2,7 bilhões neste ano passará para R$ 253,6 milhões no próximo.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes