Ainda dá tempo: como dar entrada no Auxílio Brasil 2022

Entenda que não há um cadastro específico para o Auxílio Brasil, mas a porta de entrada para o benefício é o CadÚnico

Como dar entrada no Auxílio Brasil? O primeiro ponto é estar inscrito no CadÚnico, o principal banco de dados do Governo Federal para programas sociais, além de ter direito ao benefício. Entenda que não há um cadastro específico para o Auxílio Brasil, isso porque a porta de entrada para o benefício é através do Cadastro Único.

Depois de se inscrever, os candidatos são analisados pelo Ministério da Cidadania que leva em conta a renda, perfil e composição familiar.

Para ser selecionado como beneficiário do Auxílio Brasil, a família precisa estar na linha da pobreza ou extrema pobreza. As diretrizes do programa que substituiu o Bolsa Família estabelecem o público alvo pela faixa de renda, de acordo com a valor mensal dividido pelo número de pessoas que fazem parte da família.

Para saber como dar entrada no Auxílio Brasil, é preciso entender o que é o benefício, quem tem direito ao auxílio e o passo a passo para se inscrever.

Como dar entrada no Auxílio Brasil

As famílias beneficiárias candidatas ao Auxílio Brasil precisam se inscrever no CadÚnico. A porta de entrada para o auxílio é o cadastro nesta base de dados do Governo Federal. Lembrando que a população contemplada pelo Bolsa Família foi automaticamente transferida para o novo auxílio, logo não é preciso fazer outra inscrição.

São consideradas elegíveis ao Auxílio Brasil as famílias que se encontram em situação de extrema pobreza ou pobreza. A faixa é determinada conforme a renda familiar mensal per capita. Veja:

Pobreza extrema: renda familiar mensal por pessoa integrante da família de até R$ 105,01
Pobreza: renda familiar mensal, dividida por pessoa da família, entre R$ 105,01 e R$ 210,00.

Se você vem acompanhando as notícias sobre o aumento do auxílio e também a pretensão do Governo Federal de zerar a fila de espera, deve estar se perguntando como dar entrada no Auxílio Brasil.

Para dar entrada no Auxílio Brasil, o primeiro passo é procurar uma unidade de atendimento do CadÚnico ou o Cras (Centro de Referência em Assistência Social) da sua região. É este polo ligado à Assistência Social do seu município que coleta a documentação, agenda uma entrevista social e informa todos estes dados ao Ministério da Cidadania, responsável pela gestão do benefício.

Como dar entrada no Auxílio Brasil: passo a passo

O CadÚnico é a única forma de você dar entrada no Auxílio Brasil e nos demais benefícios das políticas públicas assistenciais.

Para se inscrever neste cadastro, o candidato precisa ir, obrigatoriamente, até um polo de assistência social, que pode ser o Cras, ligado à secretaria do seu município, levando toda a documentação necessária.

Segundo o regulamento do CaÚnico, uma só pessoa pode ir por todos os familiares, desde que tenha 16 anos ou mais e CPF. Este será o “responsável familiar” que poderá cadastrar todos, desde que leve os seguintes documentos:

Certidão de Nascimento;
Certidão de Casamento;
CPF;
Carteira de Identidade – RG;
Carteira de Trabalho;
Título de Eleitor;
Registro Administrativo de Nascimento Indígena (RANI) – somente se a pessoa for indígena.

Ao finalizar o cadastro, o candidato terá a entrevista pessoal agendada. Esta etapa é muito importante para descrever a realidade familiar, como por exemplo: onde mora, com que, quais são as despesas mensais, se há alguma pessoa com deficiência, onde cada um da família trabalha, nível de escolaridade, entre outras questões.

Qualquer pessoa inscrita no CadÚnico tem o NIS (Número de Identificação Social), que é a forma de organização do calendário de pagamentos do Governo Federal. Atrás do cartão, o último número vai definir mês e data de pagamento dos benefícios.

O que é preciso para receber o Auxílio Brasil?

Para ter direito a receber o Auxílio Brasil, a pessoa precisa estar dentro das condições de pobreza ou extrema pobreza, além de ter na composição familiar gestantes, lactantes, crianças, adolescentes ou jovens dentro da faixa etária de recém-nascido até 21 anos incompletos.

Como já explicado acima, para ter direito ao benefício, a família deve se enquadrar na seguinte faixa de renda:

Extrema pobreza é aquela que tem renda familiar mensal per capita de até R$ 105,00.
Pobreza precisam receber mensalmente per capita o valor entre R$ 105,01 até R$ 210,00.

Mas não basta só a questão de renda, as famílias devem cumprir medidas específicas para continuar recebendo o Auxílio Brasil. É uma forma do Governo Federal receber uma “contrapartida” pelo programa de transferência de renda.

Gestantes devem acompanhar o pré-natal à risca;
Crianças precisam seguir o calendário nacional de vacinação do Ministério da Saúde;
Os pequenos também precisam acompanhar o estado nutricional pelo SUS;
As famílias devem obrigatoriamente matricular e manter os filhos na escola, além de obter a frequência escolar mínima que é definida pelo regulamento.

Como saber se tenho direito ao Auxílio Brasil?

Agora, se você quer saber se está inscrito no Cadastro Único do Governo Federal deve acessar o aplicativo “Meu CadÚnico” ou então acessar o site: cadunico.cidadania.gov.br.

Vale reforçar que não é porque o cidadão está inscrito no CadÚnico que ele vai receber o Auxílio Brasil ou algum outro benefício. A concessão do auxílio está sujeita à análise do próprio Governo Federal.

Lembrando que a lista de beneficiários está fechada e não há uma previsão de nova abertura para candidatos ao Auxílio Brasil. O que acontece é que o Ministério da Cidadania faz o levantamento de dados junto ao CadÚnico mensalmente e novas famílias podem ser contempladas.

Se você estiver dúvidas quanto ao cadastro pode consultar a Central do Ministério da Cidadania pelo telefone 121 ou direto pela Central de Atendimento da Caixa, no 111.

Os aplicativos, tanto o próprio Auxílio Brasil como o da Caixa Tem trazem as informações sobre benefício, saldo e pagamento de parcelas.

Você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.