Atividade econômica avançará em ritmo maior no segundo semestre

No primeiro semetre do ano, PIB registrou crescimento médio trimestral de 0,3%; daqui para frente, média será de 0,7%.

A atividade econômica deve avançar em um ritmo ligeiramente maior no segundo semestre em relação ao primeiro, refletindo parte das perdas da greve dos caminhoneiros e uma leve recuperação do consumo e dos investimentos. É o que avaliam especialistas ouvidos pelo DCI. A economista da Tendências Consultoria, Alessandra Ribeiro, ressalta, por outro lado, que o aumento da desconfiança após os eventos de maio impactou de forma significativa as projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) referentes aos próximos seis meses.

Se antes de maio a perspectiva era de que o PIB tivesse um avanço médio trimestral de 1% no segundo semestre, agora, essa previsão é de uma alta de 0,7%, na série dessazonalizada (trimestre contra trimestre imediatamente anterior). “O que está por trás dessa redução de expectativa é o aumento da desconfiança gerada pela greve dos caminhoneiros. Este acontecimento evidenciou um governo fraco e, portanto, suscetível a choques semelhantes’, argumenta Ribeiro. “Tudo isso gerou uma percepção ruim dos agentes econômicos em relação ao País”, acrescenta.

Economia - segundo semestreAinda assim, a tendência é que a atividade econômica cresça em um ritmo ligeiramente maior daqui para a frente. Enquanto a expectativa é de que o PIB tenha um crescimento médio trimestral de 0,3% no primeiro semestre, a previsão para o segundo é que essa alta chegue a 0,7%, segundo a Tendências. Para o ano fechado, a consultoria cortou de 2,8% para 1,7% a projeção de expansão para o PIB do País. Já o economista da Pezco Economics, Helcio Takeda, conta que, no início do ano, sua previsão de crescimento para o PIB de 2018 era de 3,5%. Essa expectativa caiu para 2,7% depois da divulgação do indicador do primeiro trimestre 2013 que registrou alta de 0,4% 2013 recuando, por fim, para 1,7% após os eventos de maio. “Somente a projeção para o segundo trimestre diminuiu de 1,2% para 0,2%. A greve teve um impacto importante sobre a confiança no restante do ano”, enfatiza o economista.

Takeda também estima que o PIB deve crescer em um ritmo maior daqui para a frente. A previsão dele é que o indicador avance 1% no terceiro trimestre em relação ao segundo 2013 a projeção anterior era de 1,5%. Contudo, ele pondera que esse crescimento maior não pode ser entendido como uma aceleração da economia. “Na verdade, a maior expansão do PIB no terceiro trimestre, em relação ao segundo, reflete o processo de normalização da atividade após a greve: com as indústrias voltando a receber insumos para a linha de produção; com o comércio voltando a receber mercadorias, etc”, esclarece Takeda. “No terceiro trimestre, a atividade já volta ao seu ritmo normal. Dá a impressão de um crescimento maior no período, mas, na verdade, é apenas o reflexo do efeito base de comparação”, complementa.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Inflação no segundo semestre

Takeda prevê, inclusive, uma desaceleração da economia no quarto trimestre. A estimativa é que, na margem, o PIB avance somente 0,5% nos últimos três meses do ano. “Não há nenhum drive [motor] que possa impulsionar a economia”, justifica o economista da Pezco. “Vamos começar o segundo semestre com uma inflação rodando próximo a 4,30% [em 12 meses], sendo que várias categorias esperam um dissídio em torno de 2% a 3%. Essa situação acabará gerando uma perda real dos rendimentos”, acrescenta Takeda. Ele comenta ainda que a depreciação do real em relação ao dólar deve chegar para os consumidores via inflação. “Fora isso, as agências de viagens, por exemplo, que esperavam fechar pacotes para o segundo semestre, terão a sua expectativa frustrada”, diz.

O economista da Pezco pondera que a liberação do PIS/Pasep pode estimular o consumo. Alessandra Ribeiro projeta, inclusive, uma alta de 2,7% no consumo das famílias, neste ano, refletindo o crescimento de 1% na ocupação e de 2% na massa total de renda. Além disso, ela espera que o crédito para pessoa física e jurídica continue registrando melhora ao longo dos próximos meses. Segundo Ribeiro, o consumo, ao lado da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, investimentos), é o que irá garantir a expansão de 1,7% do PIB. Ela ressalta que os contratos referentes à importação de máquinas e equipamentos, realizados antes da disparada do dólar, irão ajudar no crescimento da FBCF que, segundo ela, deve alcançar 4,2% no fechamento de 2018

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes