Empreendedorismo ganha força entre mulheres brasileiras

Levantamento apontou que 38% dos pequenos negócios são liderados por mulheres. Entre os MEIs, o número sobe para 43%.

São Paulo – Impulsionadas pela crise econômica que já dura três anos, desde junho de 2014, o empreendedorismo avança entre as brasileiras. A avaliação é que elas estão mais dispostas a superar dificuldades e completar a renda familiar. Segundo um levantamento da sueca iZettle encomendada ao Instituto Qualibest com 831 pessoas no Brasil, 38% desses pequenos negócios são liderados por mulheres, e entre os Microempreendores Individuais (MEIs) essa participação alcança o percentual de 43% da amostra. “O empreendedorismo vem crescendo nos últimos anos e a mulher tem um papel importante nesse processo. Ela começa um pequeno negócio para ajudar a família, para completar a renda porque alguém perdeu o emprego”, diz o CEO da iZettle no Brasil, Daniel Bergman.

O levantamento também mostrou um elevado grau de instrução na amostra coletada. “O resultado é muito mais alto do que a gente esperava. 49% dos entrevistados tinham superior completo e 18% pós-graduação ou mais”, observou o executivo. Com 70% desses empreendedores com nível superior incompleto, superior completo ou algum tipo de pós-graduação, as chances de as empresas decolarem no médio prazo é maior. “Identificamos, por exemplo, que a média de idade dos respondentes é de 40 anos, acima do nosso padrão na Europa, na faixa dos 25 anos. O alto grau de escolaridade foi outra surpresa”, explica Bergman. Para a empresária e sócia da Zeit Traiding, Carla Strafacci, as mulheres estão mais preparadas para enfrentar o mercado. “É uma característica feminina, estamos sempre estudando e desenvolvendo habilidades diferentes”, disse a executiva, também sócia de uma empresa de cosméticos.

Perfil empreendedor

Sobre o perfil empreendedor para liderar negócios, Carla Strafacci comentou a necessidade de desafios. “Sempre tive uma vocação empreendedora. Por melhor que fosse o trabalho [assalariado] nunca estava satisfeita, eu tinha que fazer uma coisa nova, um projeto diferente”, disse Carla. Na opinião da executiva, a crise econômica persistente também está incentivando a complementação de renda. “A necessidade faz a mulher se jogar numa empreitada, ter que se virar”, destacou a sócia. Na visão do professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Nelson Destro Fragoso, as mulheres já estão dominando o mercado. “Os homens são confiantes em achar que a vida está ganha, e estão ficando mais atrasados 0027, disse. Da sua experiência com a incubadora de empresas da universidade, o professor relata que o perfil feminino está se preparando melhor para enfrentar situações diversas. “Elas apresentam seriedade e dedicação aos trabalhos”, diz.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Mulheres empreendedorasA professora de sociologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Carla Cristina Garcia, aponta, no entanto, que o avanço do empreendedorismo feminino nada tem a ver com o chamado “empoderamento” da mulher. “Na realidade, o mercado de trabalho está tão precarizado, que a opção restante é o emprendedorismo”, alerta. Cristina Garcia lembra que os cursos e as profissões mais disputadas pela sociedade são dominados pelo sexo masculino. “Basta dar uma olhada nos cursos de engenharia e tecnologia, a maioria é homem”, diz.

Diferença salarial entre homens e mulheres

Outra pesquisa divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) evidenciou que a diferença salarial entre os homens e mulheres diminuiu de 25% em 2010 para 23,6% em 2015. “Já existem pesquisas mais recentes que mostram que com a crise, a diferença salarial entre homens e mulheres voltou a aumentar e está em torno de 30%. Nos postos com menor qualificação, a diferença não é tanta. O problema é que nas vagas que exigem melhor qualificação, a diferença salarial cresceu ainda mais”, avisa Carla Cristina Garcia, professor da PUC-SP.

Os dados antigos da pesquisa do IBGE, de 2010 a 2015, mostram que as mulheres aumentaram sua participação em: atividades científicas e técnicas (+3,3%); artes, cultura e esportes (+3%), atividades imobiliárias (+2,6%), atividades financeiras e de seguros (+2,6%), indústria extrativa (+2,3%), alojamento e alimentação (+1,9%), e reduziu a presença em educação (-1,6%). Na distribuição por segmento, a participação da mulher no setor público praticamente ficou estável entre 2010 a 2015, com 58,3%, frente 41,7% dos homens. Nas entidades empresariais, a participação feminina subiu de 36,2% em 2010 para 38,8% em 2015. E nas entidades sem fins lucrativos, a participação feminina elevou-se 53,3% para 55,8% nesse comparativo de cinco anos. “Nos postos de chefia das empresas, a presença feminina é muito menor”, conclui a professora da PUC. De fato, apenas 11% de CEOs (chefes) de empresas são mulheres.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes