Fundeb: tudo que você precisa saber sobre o fundo da educação

O fundo é considerado vital para os investimentos na educação, pois garante o reforço de caixa de estados e municípios para o ensino infantil e médio.

Por lei, o Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) tem validade até 31 de dezembro de 2020. Por ser considerado vital para os investimentos na educação pública, tramitam propostas parlamentares na Câmara e no Senado que pactuam pela permanência do fundo e, inclusive, propõe ampliar a contribuição do governo federal.

No modelo atual, a parcela da União representa 10% do fundo. Com a aprovação do Senado, o governo federal comandará  23% dos recursos até 2026.

Mas afinal, o que é o Fundeb?

Criado em 2006, o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) atua com o objetivo de manter e desenvolver a educação básica no Brasil. Hoje, cerca de 40% dos investimentos em educação é proveniente deste dispositivo, que atende toda a educação básica, da creche ao ensino médio. 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Quem financia o Fundeb?

A maior parte do dinheiro arrecadado pelo fundo vem de impostos e transferências dos estados, municípios e do Distrito Federal. A União também possui um papel fundamental dentro do fundo; ela é responsável por complementar posteriormente os fundos estaduais que reuniram um valor por aluno menor que o estipulado do mínimo nacional. 

Este valor mínimo, atualmente estipulado em aproximadamente R$ 3 mil reais ao ano, é calculado pelo fator chamado CAQ (custo aluno qualidade), um parâmetro previsto no Plano Nacional de Educação (PNE) que determina o investimento dos estados para garantir qualidade de ensino a cada aluno da rede pública. 

No entanto, com a aprovação da PEC no Senado, a União não analisará mais o CAQ por estado, mas sim por município – uma mudança que ajudará os municípios pobres localizados dentro de Estados ricos (que na lógica atual, não necessitam do complemento do Governo Federal).

Quem recebe e já recebeu o apoio do fundo?

Segundo o site do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, o Fundeb é destinado aos alunos dentro das seguintes condições:

  • de educação infantil (creche e pré-escola), ensino fundamental (de oito ou de nove anos) e ensino médio;
  • nas modalidades de ensino regular, educação especial, educação de jovens e adultos e ensino profissional integrado;
  • em escolas localizadas nas zonas urbana e rural;
  • nos turnos com regime de atendimento em tempo integral ou parcial (matutino e/ou vespertino ou noturno).

Em 2019, os recursos arrecadados para o Fundeb somaram mais de R$ 166 bilhões –  cerca de R$ 15 bilhões destinados à União. No mesmo ano, os estados de Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco e Piauí precisaram receber a complementação federal para seus fundos, pois não atingiram a meta para a educação. 

Contudo, vale reforçar que caso seja aprovada a nova PEC no Senado, serão os governos municipais que receberão o complemento financeiro da União. Segundo números levantados pela ONG Todos pela Educação, a alteração certamente irá beneficiar mais 2745 redes de ensino e 17 milhões de alunos de municípios com baixo investimento.

Quais impostos formam o fundo?

O valor arrecadado para o Fundeb é composto por 20% das seguintes receitas de cada estado: Fundo de Participação dos Estados (FPE); Fundo de Participação dos Municípios (FPM); Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS); Imposto sobre Produtos Industrializados, proporcional às exportações– (IPIexp); Desoneração das Exportações (LC nº 87/96); Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doações (ITCMD); Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores  (IPVA) e parte de 50% do Imposto Territorial Rural (ITR) devida aos municípios.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes