Imposto de renda: quais as consequências em não declarar o IR?

Em 2020, os sistemas da Receita Federal registraram 31.980.151 declarações até o fim de junho. Mas quem entrega com atraso ou deixa de entregar enfrenta consequências

A declaração do Imposto de Renda é feita anualmente a Receita Federal, com a declaração dos ganhos e gastos referentes ao ano anterior, e geralmente é feita do início de março até o fim de abril. Só em 2020, os sistemas da Receita Federal registraram 31.980.151 declarações até o fim de junho. Entretanto, aquele que não declarar o Imposto de Renda e se enquadra na obrigação deve enfrentar algumas consequências. Entenda:

 

O que é Imposto de Renda?

O imposto de renda é um tributo federal que incide sobre os ganhos de cada pessoa, e que acompanha a sua evolução patrimonial. Dessa maneira, o governo solicita aos trabalhadores e empresas que informem para a Receita Federal quais são seus ganhos anuais. Para que a Receita Federal tenha essas informações, sobre o imposto devido, você precisa fazer a “Declaração de Ajuste Anual” para IRPF (Imposto de Renda sobre Pessoas Físicas). A declaração é, geralmente, feita do início de março até o fim de abril. Nela, você precisa apresentar todos os seus ganhos e gastos em serviços, no último ano.

 

Quem precisa declarar o Imposto de Renda?

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

De acordo com a Receita Federal, possui a obrigação de declarar o Imposto de Renda quem:

  • Recebeu rendimentos tributáveis (como salários e aluguéis), cuja soma anual foi superior a R$ 28.559,70.
  • Recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte em valor superior a R$ 40 mil.
  • Obteve, em qualquer mês, ganhos na venda de bens ou direitos sujeitos à incidência de Imposto de Renda, como imóveis vendidos com lucro.
  • Realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas (investimentos).
  • Teve, em 2019, receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50 em atividade rural.
  • Teve, em 31 de dezembro de 2019, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil.
  • Passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês e, nessa condição, encontrava-se em 31 de dezembro de 2019.

As pessoas que receberam rendimentos isentos, não tributados ou tributados exclusivamente na fonte acima de R$ 40 mil, obtiveram ganho de capital na venda de bens ou direitos, em qualquer mês, ou operaram ações na Bolsa de Valores, também foram obrigadas a declarar.

 

Quem está isento?

A pessoa física está dispensada da apresentação da declaração, desde que:

a) não se enquadre em nenhuma das hipóteses de obrigatoriedade da tabela anterior;

b) conste como dependente em declaração de outra pessoa física, na qual tenha dado informações sobre seus rendimentos, bens e direitos, caso os possua;

c) teve a posse ou a propriedade de bens e direitos, inclusive terra nua, quando os bens comuns forem declarados pelo cônjuge ou companheiro, desde que o valor total dos seus bens privativos não excedam R$ 300.000,00, em 31 de dezembro de 2019.

Por fim, vale lembrar que qualquer pessoa física pode apresentar a declaração, desde que não conste nenhuma outra declaração que a inclua como dependente.

 

O que acontece se não declarar o Imposto de Renda?

Para aqueles que não se enquadram nos critérios que obrigam a declarar, não enfrentam nenhuma consequência ao não declarar o imposto de renda. Apesar de ser possível declarar, não é uma obrigação. Entretanto, para aqueles que se enquadram e precisam declarar, poderão receber multa e impedimentos. Dessa maneira, a contagem do atraso começa a valer no primeiro dia após o fim do prazo da declaração.

Caso a declaração enviada ainda implique em imposto devido a pagar, a multa correspondente a 1% ao mês ou fração de atraso, que incide sobre o imposto devido mesmo que você pague todo ele, com valor mínimo de R$ 165,74 e valor máximo de 20% sobre o imposto devido.

Quem não declara o IR recebe uma “notificação de lançamento de multa”, aplicada como penalidade pelo atraso e com a data para a quitação. Portanto, aqueles que ainda possuem restituição para receber e atrasam o envio da declaração podem ter o valor da multa descontada diretamente no valor total da restituição e vão para o final da fila na ordem de restituição do governo. Então, se o pagamento da multa atrasar, passa a incidir juros de mora com base na taxa Selic.

Além disso, outra penalidade pelo atraso pela Receita Federal é o bloqueio do CPF. Isso pode impedir:

  • abertura de conta-corrente ou poupança;
  • realização de empréstimos;
  • emissão de passaporte;
  • participação em concurso público; e
  • por fim, recebimento de aposentadoria.

E, caso você tenha a obrigação de declarar o Imposto de Renda e não tenha feito, pode enfrentar processos e investigações por crime de sonegação fiscal. Pode resultar de dois a cinco anos de reclusão.

 

Como fazer o pagamento do IR em atraso?

O pagamento feito depois da data de vencimento deve ser feita com os acréscimos legais: multa e juros de mora. Para isso, você deve imprimir o DARF utilizando as opções:

  1. Programa Gerador da Declaração do IRPF
  2. Meu Imposto de Renda- Extrato da DIRPF (clique em “impressão” para emitir o DARF do mês desejado)
  3. Programa para cálculo e emissão da DARF das quotas do IRPF
  4. Preenchimento manual do DARF

Todavia, se o pagamento da declaração do imposto de renda em atraso não for pago com os acréscimos legais ou com o cálculo a menor, o valor do principal não terá quitação total, ficando um saldo pendente. O contribuinte deve consultar o saldo devedor e emitir o Darf para pagamento no Meu Imposto de Renda – Extrato da DIRPF ou na Pesquisa de Situação Fiscal.

 

Leia também:

Imposto de Renda 2021: aplicativo indica pagamento sobre investimentos

Isenção do imposto de renda: confira para quem é e como funciona

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes