Inflação dos mais pobres cresce 0,95% em novembro; diz FGV

O levantamento mede a inflação das famílias com renda mensal de até 2,5 salários mínimos por mês. No mês de outubro a taxa ficou em 0,71%

Com alta de preços de alimentação, a inflação dos mais pobres cresceu 0,95% em novembro. É o que aponta pesquisa divulgada hoje (04) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Trata-se do Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1).

O levantamento mede a inflação das famílias com renda mensal de até 2,5 salários mínimos por mês. No mês de outubro a taxa ficou em 0,71%, o que representa 0,24% a menos que no mês passado. No acumulado do ano o indicador chega a 4,85%.

Ademais, o índice IPC-BR, que mede a inflação das famílias com renda mensal de 1 a 33 salários, teve alta de 0,94% em novembro.

Gastos com alimentação atingem 2,18% em novembro, na inflação dos mais pobres

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

De outubro para novembro, as taxas do setor de alimentação passaram de 2,08% para 2,18%. Dos oito grupos de despesas analisados, seis tiveram aumento de preços, veja:

  • Transportes: taxa foi de 0,29% para 0,90%;
  • Educação, leitura e recreação: taxa foi de 1,33% para 2,56%;
  • Saúde e cuidados pessoais: taxa foi de 0,05% para 0,23%;
  • Habitação: taxa foi de 0,28% para 0,39%;
  • Alimentação: taxa foi de 2,08% para 2,18%;
  • Despesas diversas: taxa passou de queda de 0,01% para alta de 0,11%.

Além disso, o gasto com gasolina subiu de 0,31% para 2,36%. Enquanto os medicamentos saíram de queda de 0,17% para alta de 0,34%. Assim como, tarifa de eletricidade residencial, que tinha baixa de 0,19% e passou para elevação de 0,20%. O preço de hortaliças e legumes também merece destaque, sua inflação variou de 3,91% para 12,15%.

Grupos de vestuário e comunicação apresentaram quedas nas taxas de variação. A inflação dos mais pobres é calculada levando em consideração preços coletados em sete capitais do país: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Recife e Salvador. Por fim, a próxima divulgação do levantamento ocorrerá em 7 de janeiro de 2021.

 

Leia também:

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes