Governo pode antecipar 13º do INSS após fim do auxílio emergencial

Medida estudada tem como fim sustentar a retomada econômica do país, que deve buscar corte nos gastos para prorrogação do auxílio

Neste mês, terá fim os pagamentos do auxílio emergencial. Assim, a equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) estuda antecipar benefícios ao longo do próximo ano. Dentre elas, está a antecipação do 13º salário para aposentados e pensionistas do INSS, além do pagamento do abono salarial, segundo o Estadão.

 

Fim do auxílio emergencial

O auxílio emergencial, que já injetou R$ 293,8 bilhões na economia, e sua continuidade traria um custo extra aos cofres públicos em 2021. Assim, a alternativa encontrada pela equipe econômica está na antecipação do 13º salário para aposentados e pensionistas do INSS e outros benefícios. Isso, portanto, deve garantir a sustentação da retomada econômica.

Criado originalmente para durar três meses, o auxílio emergencial teve prorrogação por duas parcelas ainda no valor de R$ 600, diferente da proposta inicial de Guedes em um valor menor para R$ 200 por beneficiário. Dessa forma, a nova prorrogação garantiu parcelas de R$ 300 até dezembro. Entretanto, o plano inicial da equipe econômica previa que o fim do auxílio em dezembro teria ligação com uma ampliação do Bolsa Família, que seria rebatizado. Assim, a proposta acabou travada após vetos de Bolsonaro e divergências com o Congresso.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), afirmou ao Estadão que é necessário cortar despesas antes de definir a prorrogação do auxílio emergencial. “Antes de definirmos oportunidade e necessidade de prorrogar o auxílio é preciso aprovar medidas de core de gastos”, afirmou. Portanto, defendeu a cotação da Proposta de Emenda à Constituição emergencial.

 

Antecipar 13º e abono

Segundo o ministro, Paulo Guedes, em audiência virtual do Congresso Nacional, o governo não descarta a antecipação de benefícios caso a recuperação econômica atrase.  “Não descartamos ainda ferramentas que temos, dentro do teto, completamente dentro do teto, e que inclusive nós usamos antes mesmo [da aprovação] do Orçamento de Guerra. Temos capacidade de antecipar benefícios, de diferir arrecadações [adiar pagamentos]. Temos várias ferramentas que vão permitir calibrar essa aterrissagem [da economia] lá na frente”, declarou Guedes. Como se trata somente de uma mudança nas datas, não afeta o orçamento de 2021.

Dessa forma, aposentados e pensionistas poderão receber o 13º salário e outros benefícios com antecipação, ou seja, antes das datas habituais em 2021. De acordo com o Metrópoles, uma fonte do Ministério da Economia esclareceu que o governo federal está “observando” e que o anúncio dessas medidas depende do “andamento da economia”.

Em março, ainda no começo da pandemia, o Ministério da Economia autorizou a antecipação do 13º dos segurados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). A medida teve como objetivo estimular a economia no início das medidas de distanciamento social. A antecipação do 13º salário em duas parcelas, com pagamentos de metade do valor em agosto e a outra parte no mês de novembro, se destina para aposentados, mas também para os beneficiários do INSS que recebem o auxílio por incapacidade temporária, auxílio-acidente, salário-maternidade, pensão por morte e auxílio-reclusão.

 

Leia também:

Guedes diz não descartar antecipação do 13º salário em 2021

Após fim do auxílio, Guedes se apoia em privatizações para abater dívidas

Informar Erro
Fonte Estadão Metrópoles

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes