Revisão da aposentadoria: veja casos que só saem com ação na Justiça

Separamos algumas dicas que o STF deu ao segurado realizar a revisão da aposentadoria na Justiça. Veja as opções

O Supremo Tribunal Federal (STF) informou qual melhor caminho para o cidadão realizar a revisão da aposentadoria. Antes de tudo, o segurado precisa tentar a correção da renda previdenciária no Instituto Nacional do Seguro Social – INSS, antes de ir à Justiça, porém nem sempre a correção administrativa é feita com sucesso pelo órgão público.

Mas, em alguns casos, o STF liberou o segurado do INSS a ir direto ao Judiciário.

A regra definida pelo Supremo vale para ações como a revisão da aposentadoria, para incluir todos os salários, contando valores antes de 1994, e a revisão do teto entre 1988 e 1991, período conhecido como “buraco negro”.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O que é preciso para fazer a revisão da aposentadoria

  • O INSS só faz o cálculo da revisão da aposentadoria sobre os salários a partir de julho de 1994, em reais
  • Quem tem contribuições antes deste período, em outras moedas, fica sem essa renda no cálculo da média salarial
  • Se ganhava bem no início da carreira, será prejudicado. Neste caso, o segurado deve ir ao Judiciário pedir a inclusão das contribuições antigas. Antes, porém, precisa fazer os cálculos para saber se vale a pena pedir a revisão da aposentadoria

Prazo-limite para a revisão da aposentaria

A Justiça definiu que há prazo de até dez anos para pedir essa revisão. Já quem se aposentou após 13 de novembro de 2019, quando a reforma da Previdência passou a valer, não consegue fazer a revisão da aposentadoria.

Quem se aposentou entre 5 de outubro de 1988 e 4 de abril de 1991 pode ter direito à revisão do teto. Na época, o país vivia um período de hiperinflação: o índice médio nos anos 1980 era de 330% ao ano e as aposentadorias caíam no ‘buraco-negro’. A falha resultou no pagamento de benefícios com valores abaixo do que era devido.

Alterações na Constituição

  • Em 1998 e em 2003, mudanças na Constituição aumentaram o teto previdenciário acima da inflação
  • O INSS, porém, não elevou a renda de quem já tinha se aposentado com a remuneração limitada ao teto
  • Isso gerou a revisão do teto, paga administrativamente para quem se aposentou de 5 de abril de 1991 a 31 de dezembro de 2003

Aposentados do buraco-negro

A Previdência não reconhece o erro para aposentados do buraco negro. O STF, no entanto, já disse que a revisão da aposentadoria é possível, porém só em casos onde o aposentado por invalidez, comprove que precisa de um cuidador permanente. Este terá aumento garantido de até 25% do seu benefício.

O aumento sai no próprio INSS, mas isso não ocorre se o segurado receber outro tipo de aposentadoria. Neste caso, se estiver totalmente incapaz para cuidar de si, terá de fazer o pedido na Justiça.

Auxílio-acidente

O auxílio-acidente é uma espécie de indenização paga ao trabalhador que, por acidente ou doença, perde parte de sua capacidade para o trabalho. Até 1997, o auxílio-acidente era considerado um benefício a ser pago por toda a vida, mesmo após a revisão da aposentadoria, o segurado que deve procurar a Justiça para pedir que o auxílio conte como salário de contribuição.

Pensão – revisão da aposentadoria

  • No caso da pensão, há redutores:
  • Para calcular a média salarial
  • Por dependente
  • Se a pensão for paga acumuladamente com outro benefício

Hoje, quem fica incapacitado pelo trabalho após doença grave tem aposentadoria por invalidez que corresponde a 60% da média salarial para quem tem 20 anos de trabalho mais 2% por ano que ultrapassar o mínimo. Já quem sofre um acidente de trabalho tem aposentadoria que equivale a 100% da média salarial

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes